Publicidade

26 de Dezembro de 2013 - 13:01

Por João Domingos - Agencia Estado

Compartilhar
 

A Medida Provisória 632, assinada pela presidente Dilma Rousseff e publicada no

Pela Lei 12.528/2011, que criou a comissão, os trabalhos finais deveriam ser entregues no dia 16 de maio de 2014. Os integrantes da Comissão da Verdade, no entanto, pediram à presidente novo prazo, sob alegação de que não haveria tempo para um relatório circunstanciado sobre a violação dos direitos humanos de 1946 e 1988 por agentes do Estado.

A Comissão Nacional da Verdade é formada por sete membros nomeados pela presidente Dilma Rousseff e 14 auxiliares. Pela lei, eles deverão publicar um relatório dos principais episódios que mancharam o País no desrespeito aos direitos humanos. Os trabalhos da comissão têm sido polêmicos, porque os integrantes têm se desentendido publicamente sobre a melhor forma de atuação. Há os que defendem a Lei da Anistia, que isentou militares por crimes de tortura, e outros que acreditam ser necessário revogar parte dessa lei.

A própria norma legal que criou a Comissão Nacional da Verdade é polêmica. Para não desagradar aos militares, a presidente previu no projeto - depois transformado em lei - que os documentos poderão ser públicos ou reservados. Neste último caso, deverão ser enviados à Presidente ou ao ministro da Defesa.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?