Publicidade

11 de Março de 2014 - 06:14

Por Débora Álvares - Agencia Estado

Compartilhar
 

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) divulgou nesta sexta-feira, 21, uma redução de quase 19% nos alertas de desmatamento da Amazônia no período de agosto de 2013 a janeiro de 2014. Embora tenha comemorado os números, a ministra Izabella Teixeira não garante que isso indique uma diminuição nas taxas de desmatamento da área. "Ter um alerta menor significa que os nossos esforços de tecnologia dialogam com dados de campo; mas por outro lado, será que vai dialogar com redução da taxa de desmatamento que esperamos?", comentou.

Segundo os dados do MMA, os alertas apontaram 1,428 mil quilômetros quadrados de área desmatada entre agosto de 2012 a janeiro de 2013, ante 1,162 mil quilômetros quadrados no período seguinte - 18,6% a menos. Como explicou o presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Volney Zanardi, os dados refletem a leitura de satélites sobre a região e são diretamente influenciados pela nebulosidade. "A cobertura de nuvens é variável e, por isso, temos apenas uma tendência", destacou Zanardi.

A avaliação, baseada em informações da Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), apontou ainda uma tendência maior de desmatamento em regiões cuja fiscalização cabe aos Estados (68%) e menor em áreas de domínio federal (32%). "Parcela de 80% dos licenciamentos ambientais hoje em dia está sob domínio dos Estados e, nesse caso, os alertas podem estar dialogando com a supressão de vegetação", avaliou a ministra.

Outra tendência apontada pelos dados do MMA é de diminuição de alertas em Estados com tradição de muitos desmatamentos, como Mato Grosso, Pará e Rondônia. Tocantins e Acre tiveram aumentos significativos no levantamento. "Nos preocupa não só pelo desmatamento, mas porque pode está havendo uma mudança no perfil dos crimes por Estado", ressaltou Izabella.

Todos os alertas enviados por satélites são verificados por equipes in loco na floresta. Ao todo, 11% não se confirmaram; 76,2% apontaram corte raso; 5,2%, exploração florestal; e 7,4%, degradação por fogo.

A prevenção do desmatamento, conforme explicou Zanardi, ocorre sob duas frentes de ação. A primeira delas, por meio de nove equipes espalhadas pela Amazônia, em bases fixas e móveis, que verificam denúncias. O instituto atua, ainda, com coleta de informações e trabalho de inteligência.

Conforme ressaltou a ministra, o Ibama atua hoje em parceria com a Polícia Federal para desmontar quadrilhas alinhadas ao desmatamento ilegal. "O crime sempre inventa, mas nós também estamos sendo inovadores", disse Izabella.

Para aprimorar a cobertura de alertas de desmatamentos, o ministério tem testado veículos aéreos não tripulados para operar abaixo das nuvens, onde os satélites não conseguem visualizar. "Com a cobertura de nuvens, os satélites não enxergam, e nessa parte estamos operando com apoio de tecnologia de radar", finalizou a ministra.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da adoção de medidas, como tarifas diferenciadas e descontos, para estimular a redução do consumo de água?