Publicidade

05 de Dezembro de 2013 - 19:58

Por Marcio Dolzan - Agencia Estado

Compartilhar
 

A fim de fugir de possíveis protestos de torcedores, o técnico Dorival Júnior comandou no fim da tarde desta quinta-feira treino na Escola de Educação Física do Exército, no bairro da Urca, zona sul do Rio. Foi a última atividade do Fluminense antes da viagem a Salvador, onde o time enfrenta o Bahia, no domingo, pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

Antes de iniciar o treino, Dorival Júnior reuniu os titulares no centro do gramado e conversou por aproximadamente cinco minutos. O técnico também parou diversas vezes o trabalho tático para orientar o posicionamento dos jogadores. A imprensa pôde acompanhar os trabalhos, mas foi impedida de fazer imagens.

Ainda se recuperando de um corte na mão esquerda, o goleiro Diego Cavalieri treinou em separado e passou a maior parte do tempo correndo ao redor do gramado. O jogador, porém, deverá estar em campo no domingo. A dúvida maior está no aproveitamento do volante Rafinha, que ainda se recupera de lesão na coxa.

No treino desta quinta-feira, Dorival Júnior escalou o Fluminense com três atacantes: Biro Biro, Rafael Sóbis e Kenedy - este último é um jogador de apenas 17 anos, que chegou a atuar no grupo profissional sob o comando de Abel Braga e Vanderlei Luxemburgo.

"O Fluminense tem que mostrar que tem merecimento para que possa permanecer (na primeira divisão) e, para isso, o primeiro passo é buscar a vitória", disse o treinador, garantindo ainda que a opção por três atacantes não é definitiva. "Estou aguardando o Rafinha, trabalhei também com a possibilidade do William, mas tudo isso vamos definir amanhã (sexta-feira)."

No treino desta quinta-feira, o técnico escalou o Fluminense com Felipe Garcia; Igor Julião, Gum, Leandro Euzébio e Wellington Silva; Edinho, Jean e Wagner; Kenedy, Biro Biro e Rafael Sóbis.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?