Publicidade

22 de Janeiro de 2014 - 19:05

Por Raphael Ramos - Agencia Estado

Compartilhar
 

O Corinthians enfrentará o Paulista nesta quarta-feira, às 22 horas, no estádio Décio Vitta, em Americana, preocupado não apenas em obter a sua segunda vitória seguida no Campeonato Paulista. As atenções do clube também estarão voltadas para o comportamento da torcida. Isso porque o clube alvinegro tenta se precaver para não ser prejudicado neste ano por sucessivas perdas de mando de campo, como ocorreu em 2013.

Nesta quarta, por exemplo, o Corinthians só jogará em Americana porque na final do Paulistão do ano passado seus torcedores usaram sinalizadores e a Federação Paulista de Futebol (FPF) puniu o clube com a perda de um mando. Para evitar outras sanções, a diretoria adotou nova postura: a estratégia é, sempre que possível, identificar e responsabilizar individualmente o torcedor para que o clube não assuma mais a culpa sozinho.

No último domingo, assim que um torcedor invadiu o gramado do estádio do Canindé durante a partida contra a Portuguesa, ele foi contido pela Polícia Militar e um funcionário do Corinthians, ainda no campo, acompanhou o vândalo até que fosse registrada a ocorrência. "O caso ainda será analisado, mas a tendência é o Corinthians não ser responsabilizado", adiantou o coronel Marcos Marinho, diretor do Departamento de Segurança da FPF.

Segundo o presidente Mário Gobbi, o prejuízo financeiro em cada partida longe do Pacaembu é de R$ 1,5 milhão. Em 2013, o Corinthians perdeu cinco mandos e realizou um jogo da Copa Libertadores com portões fechados. "Já encaminhamos ofícios a todos os órgãos responsáveis pedindo que o Estatuto do Torcedor seja cumprido e que o mau torcedor seja identificado e punido, e não mais o clube. Nós estamos dispostos a colaborar", disse Felipe Santoro, advogado do Corinthians.

Nesta quarta, o técnico Mano Menezes repetirá o time que venceu a Portuguesa, com uma exceção: Diego Macedo jogará no lugar de Edenílson, vendido para a Udinese, da Itália. Questionado se poderia escalar o time no 4-3-3, esquema utilizado quando Ronaldo estava no elenco, admitiu a possibilidade. "O Corinthians tem jogadores no elenco para ser montado um 4-3-3, mas vai depender da sequência dos jogos, de como o time vai responder com esta ou outra formação", respondeu o treinador.

O treinador voltou a dizer que Alexandre Pato e Guerrero podem atuar juntos e rejeitou uma comparação entre os volantes do elenco e o ex-corintiano Paulinho. "Os volantes de hoje não devem ser comparados ao Paulinho. Gosto que os dois volantes cheguem à frente, mas, por característica, Guilherme tem mais capacidade para fazer isso".

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?