Publicidade

04 de Dezembro de 2013 - 20:46

Por Débora Álvares - Agencia Estado

Compartilhar
 

O PSDB retomou nesta quarta-feira, 4, a ofensiva contra o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, por sua atuação no encaminhamento de denúncias de formação de cartel no metrô de São Paulo e do Distrito Federal. Em mais uma audiência pública sobre o caso, desta vez na Câmara dos Deputados, tucanos estiveram de novo frente a frente com o ministro e voltaram a acusá-lo de direcionamento político no episódio. Em suas respostas, o ministro manteve a linha adotada nos últimos dias: de que apenas cumpriu sua função de encaminhar para investigação as denúncias que recebe.

Para tanto, a certa altura, usou de ironia para rebater os ataques. Ao responder ao líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), disse ter aprendido essa conduta com a própria oposição: "Vossa Excelência me ensinou que eu, quando tomar ciência de alguma denúncia, tenho que investigar". Era uma alusão a uma acusação do próprio Sampaio ao então ministro da Justiça Tarso Genro em 2008, de que ele não encaminhara para investigações denúncias sobre uso de cartões corporativos pelo governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No entanto, o principal embate foi protagonizado pelo secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal (PSDB), que se licenciou do cargo por dois dias justamente retomar o posto de deputado federal e participar da audiência. Ele disse a Cardozo que ele tem agido de forma não democrática e declarou ter "nojo" da forma como a denúncia foi vazada. Pediu também que o ministro parasse de ameaçar processá-lo por injúria. Na semana passada, o ministro disse que abriria uma ação contra Aníbal. "Não fiz ameaças. O ministro que aceitar passivamente ser chamado de bandido, vigarista, não vale o cargo. Um ministro não pode ser chamado de quadrilheiro. Fiz não para ameaçar, tolher sua liberdade de expressão, fiz porque não posso permitir que o ministro da Justiça seja injuriado", declarou Cardozo.

Aníbal sugeriu também que houve facilitação no vazamento de informações para que elas coincidissem com a prisão dos dos condenados no julgamento do mensalão. "A Polícia Federal está analisando faz meses, e no quinto dia depois da prisão do mensalão, vaza para a imprensa." Cardozo rebateu sugerindo aos tucanos que peçam a quebra do sigilo da sinvestigações: "Não há outra alternativa. Assim, o teor dos depoimentos, das investigações, será colocado ao publico. Eu não posso eu requerer isso, mas vossas excelências podem. Eu me comprometo a vir aqui trazer os documentos (se o sigilo cair)", afirmou o ministro.

Na audiência, Cardozo e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, admitiram não saberem do paradeiro de Henrique Pizzolato. O ex-diretor do Banco do Brasil é um dos 25 condenados no processo do mensalão, mas está foragido desde o dia 15 de novembro. "Não temos a confirmação de onde ele está", destacou Daiello. Ele afirmou que a PF tem pistas do paradeiro de Pizzolato, mas ainda não podem divulgar. Cardozo disse, ainda, que ainda não se sabe como o ex-diretor do BB fugiu.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?