Publicidade

18 de Janeiro de 2014 - 07:55

Por Altamiro Silva Júnior, correspondente - Agencia Estado

Compartilhar
 

As grandes empresas dos Estados Unidos nunca tiveram tanto dinheiro em caixa. A estimativa da Moody?s é que as corporações não financeiras devem ter fechado 2013 com nada menos que US$ 1,5 trilhão em reservas, mais que o Produto Interno Bruto (PIB) de países como a Espanha ou a Austrália, e um nível recorde para o mercado norte-americano. As gigantes de tecnologia, como Apple, Google e Microsoft, são as que mais têm recursos em caixa.

Cerca de US$ 500 bilhões do total das reservas estão com empresas de TI. Mas outras companhias também possuem volume expressivo. A General Eletric (GE) divulgou ontem (17) que fechou dezembro com US$ 89 bilhões consolidados em caixa. A expectativa dos analistas é que os resultados do quarto trimestre de outras empresas não financeiras mostrem que o caixa continuou aumentando na reta final do ano passado.

O alto volume de recursos em caixa das corporações norte-americanas mostra uma postura conservadora dos empresários em meio ao aumento da incerteza nos EUA, avalia a agência de classificação de risco Standard & Poor?s. Em 2013, as dúvidas sobre a mudança da política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) contribuíram para estimular o aumento dessas reservas. Outro fator foi o impasse no Congresso sobre as questões fiscais do país, que paralisou o governo por 16 dias em outubro.

Os economistas citam ainda o crescimento fraco do consumo interno nos últimos anos como outro fator a desestimular os investimentos.

Foi a partir da crise de 2008 que o caixa das empresas dos EUA começou a aumentar e desde então o volume quase dobrou. Em 2007, antes do início da crise, o caixa das empresa era de US$ 815 bilhões, de acordo com a Moodys. "As empresas têm se mostrado muito relutantes em gastar recursos, numa postura conservadora", avalia o estrategista de renda variável do RBC Capital Markets, Jonathan Golub.

A estimativa da Moody?s e da S&P é que grande parte deste caixa está investido no exterior. A razão é que as taxas de juros nos EUA estão próximas de zero, o que estimula as empresas a buscar retornos maiores fora do país.

Com as projeções de maior recuperação da economia em 2014, a expectativa é que as empresas comecem a gastar mais e reduzam um pouco os recursos em caixa. O economista da gestora AllianceBernstein, Joseph Carson, vê mais investimentos corporativos este ano e, por isso, o ritmo de constituição de caixa pode diminuir, destaca em um relatório a investidores. Ele projeta, por exemplo, expansão de 9,6% dos investimentos no setor de construção e de 8,1% no segmento de maquinaria.

A expectativa da AllianceBernstein é que depois de crescer cerca de 1,8% este ano, o PIB norte-americano avance entre 3% e 4% em 2014. "O investimento empresarial está começando a ganhar força, sobretudo no setor manufatureiro", diz Carson. As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?