Publicidade

13 de Janeiro de 2014 - 17:10

Por Marília Assunção, especial para a AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Foi operado em Goiânia, pela segunda vez, na manhã desta segunda-feira, 13, o entregador de frangos Márcio Ronny da Cruz, 37 anos, um dos feridos no ataque de bandidos contra ônibus no Maranhão, no dia 3. Mas Cruz voltou para o Centro de Tratamento Intensivo (CTI) depois do procedimento, permanecendo em estado grave 11 dias após ter sido um dos cidadãos maranhenses vítimas da tensão que paira no sistema prisional daquele Estado.

Os médicos que tratam dele desde a transferência, feita num jatinho vindo do Maranhão a capital de Goiás, no dia 8, avaliam com cautela a evolução do quadro. O boletim médico indica que o paciente, que teve 72% do corpo queimado, mantém o quadro estável, ainda que grave, após duas operações na capital para remover pele das lesões que sofreu.

Cruz abraçou a menina Ana Clara Santos Souza, 6 anos, tentando ajudar a apagar o fogo que feria a criança, atingida por álcool e as chamas durante um ataque criminoso a um dos ônibus do transporte coletivo de São Luís. Na capital goiana, a irmã do entregador de frangos, Assunção da Cruz Neves, acompanha apreensiva o tratamento prestado pelo Hospital-Geral de Goiânia Alberto Rassi (HGG), que atende Cruz após um pedido especial da Secretaria de Saúde do Maranhão. O entregador tem cinco filhos e o gesto solidário é tratado com orgulho pelos parentes como um ato de heroísmo.

O boletim médico afirmava no início da tarde desta segunda que Ronny da Cruz está consciente, respirando sem aparelhos, com pressão arterial normal, no isolamento do CTI. O responsável pelo CTI do hospital, Rafael Rabahi, afirmou que o paciente suportou bem a segunda cirurgia e que os médicos se concentram em mantê-lo estável, usando para iso reposição de proteínas e sangue e um controle acurado do padrão respiratório. Durante a cirurgia, foi removida a pele atingida pelo fogo. Os médicos avaliam a necessidade de enxertos nas lesões mais profundas. Ronny da Cruz também pode ser transferido para o Hospital de Queimaduras de Goiânia, referência nacional nesse tipo de tratamento.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?