Publicidade

03 de Dezembro de 2013 - 19:06

Por Wilson Baldini Jr. - Agencia Estado

Compartilhar
 

O Brasil deverá ter um quinto campeão mundial no boxe em dois anos. Este é o plano da Top Rank, a maior empresa da modalidade, para o pugilista brasileiro Esquiva Falcão Florentino. Medalhista de prata na Olimpíada de Londres, em 2012, ele acaba de se profissionalizar, com um projeto ousado para a sua carreira.

"Cada lutador tem suas características. Para Esquiva, vamos ter seis a oito lutas em 2014. Dependendo do desempenho, podemos pensar em saltos maiores. Vamos degrau por degrau", disse Todd duBoef, presidente da Top Rank, antes da entrevista coletiva para anunciar a contratação, nesta terça-feira, em São Paulo.

A profissionalização de Esquiva tinha sido anunciada há cerca de 20 dias, quando foi assinado o contrato. A estreia dele está marcada para 20 de fevereiro, em Macau, na China. Será o começo da trajetória para tentar igualar os feitos de Eder Jofre, Miguel de Oliveira, Acelino Popó Freitas e Valdemir "Sertão" Pereira, os outros brasileiros que já foram campeões mundiais no boxe.

Aos 23 anos, Esquiva vai lutar entre os médios, assim como seu irmão Yamaguchi, que assinou com a empresa Golden Boy Promotions, rival da Top Rank. "Temos quatro grandes entidades no boxe. Eu ganho duas e meu irmão, as outras duas", brincou Esquiva, reforçando a promessa de nunca lutar contra Yamaguchi.

Esquiva vai para o Espírito Santo, ao lado da família, e vai ajudar Yamaguchi, que tem estreia marcada como profissional para 25 de janeiro. "Vai ser bom porque, nos treinos do Brasil, a gente vai poder se ajudar como sparrings", disse o dono da prata olímpica em Londres, que vai viajar para os Estados Unidos em janeiro. "Nossa sede será Las Vegas, no ginásio da Top Rank", contou Sergio Batarelli, uma espécie de "conselheiro" do pugilista.

Nesta terça-feira, Esquiva afirmou estar perto dos 78 quilos, mas disse que não terá problema para atingir os 72,575 permitidos na categoria dos médios. Uma decisão deverá ser tomada nos próximos dias: a escolha do treinador. "Nós vamos sentar para decidir, poderá ser um técnico brasileiro ou americano", afirmou Todd DuBoef.

Esquiva, que tem como ídolo Muhammad Ali, afirmou que admira o casaque Gennady Golovkin, apontado pela crítica como o melhor peso médio da atualidade. "O bom é que quando eu estiver pronto para disputar o título, acho que ele já estará aposentado", brincou.

POPÓ - "Sem chances". Foi dessa forma que Todd duBoef, presidente da Top Rank, reagiu quando perguntado nesta terça-feira, durante a entrevista com Esquiva, sobre a possibilidade de uma luta entre o filipino Manny Pacquiao e Popó.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você participa das celebrações da Semana Santa?