Publicidade

22 de Janeiro de 2014 - 19:03

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Após dez meses de licitação, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) decidiu cancelar a parceria público-privada (PPP) dos piscinões, um negócio de R$ 3,8 bilhões que previa a construção de sete reservatórios e manutenção de 38 por 20 anos que havia sido vencido por um consórcio integrado pela Técnica, empresa subsidiária da construtora Delta, investigada por corrupção.

Embora o Tribunal de Contas do Estado (TCE) tenha declarado a Técnica inidônea, o governo de São Paulo alega que a revogação da PPP ocorreu porque o novo relatório de macrodrenagem da Bacia do Alto Tietê, de dezembro, mostrou que "é possível otimizar o aproveitamento dos atuais piscinões" e que o modelo proposto na PPP não era o mais indicado. Agora, o governo do Estado abrirá nova licitação para manutenção dos piscinões. O contrato atual acaba em julho. As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você aprovou a seleção convocada por Dunga?