Publicidade

27 de Dezembro de 2013 - 11:46

Por Wladimir D'Andrade e Gabriela Vieira - Agencia Estado

Compartilhar
 

O presidente da Invepar, Gustavo Rocha, afirmou nesta sexta-feira, 27, que a proposta que venceu o leilão da rodovia BR-040 (DF/GO/MG) oferece retorno adequado para os acionistas e se encaixa dentro da disciplina financeira da empresa. A Invepar ofereceu uma tarifa de R$ 3,22528 a cada uma das 11 praças previstas no trecho de 936,8 quilômetros ofertados, o que representa um deságio de 61,13% sobre o teto estipulado pelo edital de concessão.

"A companhia está tranquila com a proposta feita e no sucesso das obras previstas", disse Rocha, durante entrevista coletiva realizada na sede da BM&FBovespa logo após o leilão. O executivo afirmou que a BR-040 era o principal foco da empresa dentre todos os trechos ofertados em 2013 pelo governo federal.

O presidente da Invepar elogiou a flexibilidade do governo em discutir com a iniciativa privada a modelagem dos ativos colocados em leilão. O trecho de Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal da BR-040 fecha o calendário 2013 de concessões de rodovias, mas o plano inicial do governo previa que ele inaugurasse a série de leilões.

A disputa estava programada para o dia 30 de janeiro, mas foi adiada sob a perspectiva de fracasso. Os possíveis interessados reclamaram, na ocasião, dos prazos enxutos para análise do projeto, dos estudos de demanda e da taxa interna de retorno (TIR). Desde então, intensas negociações entre representantes dos investidores e governo tornaram a concessão mais atrativa. Houve aumento da TIR de 5,5% para 7,2% e premissas de crescimento da economia brasileira do tráfego mais conservadoras.

"Modicidade tarifária vem por meio da competição", afirmou Rocha. Segundo o executivo, a BR-040 tem um perfil de tráfego diversificado, o que considera ser bom para mitigar riscos de sazonalidade na receita da concessionária.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?