Publicidade

30 de Dezembro de 2013 - 14:22

Por - Agencia Estado

Compartilhar
 

Tropas congolesas mataram, nesta segunda-feira, pelo menos 40 homens durante confrontos para repelir ataques coordenados na capital do país, Kinshasa, no que parece ter sido um levante de partidários do ex-candidato presidencial Joseph Mukungubila.

Mais de 70 homens armados lançaram ataques simultâneos contra o principal aeroporto do país, sedes das Forças Armadas e aos escritórios da emissora nacional de televisão, informou o ministro da Informação Lambert Mende.

Inicialmente, os homens tomaram o controle da emissora de televisão após dominarem policiais e se instalarem no interior do prédio com dezenas de reféns.

Antes de o Exército retomar a emissora, os homens afirmaram que estavam no local para liberar o "povo congolês de (presidente Joseph) Kabila" e que "Mukungubila chegou para libertá-los da escravidão de Ruanda".

Reforços da Guarda Republicana ajudaram os militares a retomar o controle da televisão após mais de uma hora de confronto, disse Mende.

Ataques contra o aeroporto e a sedes militares também foram repelidos. O governo não divulgou o número de mortos e feridos nas Forças Armadas.

Investigadores tentam descobrir se há alguma ligação entre os homens que participaram do ataque e Mukungubila, afirmou Mende.

Eddy Mbuyi, conselheiro de segurança do grupo Oxfam, disse que o ataque parece ter sido realizado por uma nova facção armada leal a Mukungubila.

Mukungubila concorreu nas eleições de 2006 contra Kabila, mas obteve menos de 1% dos votos. Desde então, ele tem acusado Kabila de prejudicar os interesses do país em troca de favores de governos estrangeiros.

O vasto país africano abriga as maiores reservas do mundo de cobalto e de tântalo, um metal cinza azulado usado na manufatura de smartphones e computadores pessoais, mas enfrenta uma série de episódios de insurgência desde o final da década de 1990.

Uma força de paz da ONU de 21 mil homens ajudou o Exército congolês a derrotar, em novembro, uma rebelião de 20 meses contra o grupo rebelde M23. Mukungubila criticou o governo por assinar o acordo de paz e acusou Kabila de "curvar-se aos interesses de Ruanda".

Investigadores da ONU acusam Ruanda e Uganda de apoiar a rebelião do M23, mas os dois países negam. Fonte: Dow Jones Newswires.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?