Publicidade

18 de Dezembro de 2013 - 19:10

Por Elder Ogliari - Agencia Estado

Compartilhar
 

A família da bióloga brasileira Ana Paula Maciel, anistiada nesta quarta-feira, 18, pelo Parlamento da Rússia, prepara uma festa para recebê-la quando ela voltar a Porto Alegre, em data ainda incerta. Ana Paula estava no grupo de 28 militantes do Greenpeace e dois jornalistas presos pela Guarda Costeira da Rússia quando tentava escalar uma plataforma para protestar contra os danos causados pela exploração de petróleo no Ártico, em 19 de setembro.

No fim de novembro, todos foram libertados mediante pagamento de fiança e ficaram aguardando a tramitação do processo em que eram acusados de "vandalismo" em São Petersburgo. Agora, com a anistia proposta pelo presidente Vladimir Putin aprovada pelo Parlamento, todos poderão voltar às suas casas depois de cumprir formalidades legais.

"Estou aliviada, mas não celebrando", disse Ana Paula em comunicado distribuído pelo Greenpeace no Brasil. "Fui acusada e permaneci dois meses presa por um crime que não cometi, o que é um absurdo", prosseguiu. "Mas, finalmente, parece que essa saga está chegando ao fim e em breve estaremos com nossas famílias", previu, manifestando preocupação com os quatro russos que participaram da manifestação. "Ainda penso em meus colegas russos que ficarão com a ficha suja em seu país por algo que eles não fizeram. Tudo isso porque eles lutaram pela proteção do Ártico."

Em Porto Alegre, a motorista Rosângela Maciel, mãe de Ana Paula, foi avisada da anistia pelo Greenpeace. No fim da tarde, ainda sem ter falado com a filha, ela mostrava-se aliviada e feliz. "A espera foi longa, mas agora está tudo sob controle", afirmou. Embora tenha uma "pequena" esperança de ver a bióloga até o Natal, a mãe admite que pode ter de esperar um pouco mais.

A data para o reencontro pode não estar marcada, mas a festa sim. "Toda a família está avisada, inclusive tias e primas, e vai recepcioná-la com um churrasco." Rosângela esteve com Ana Paula por uma semana, em São Petersburgo, no fim de novembro. "Ela estava ótima, firme, forte e convicta de que tudo terminaria bem", recorda, manifestando apoio às atividades da filha.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?