Publicidade

18 de Dezembro de 2013 - 12:43

Por Carla Araújo - Agencia Estado

Compartilhar
 

A ceia de Natal está 8,10% mais cara neste ano em relação a 2012, segundo levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/Ibre), divulgado nesta quarta-feira, 18. De acordo com o estudo, a inflação dos produtos que fazem parte da cesta de Natal subiu mais do que a inflação média registrada pelo Índice de Preços ao Consumidor 10 (IPC-10) no período de janeiro de 2013 a dezembro de 2013, que foi de 5,48%.

No acumulado do ano, entre os itens que registraram os maiores aumentos de preço estão a farinha de trigo (30,56%), a batata-inglesa (21,07%) e as frutas (15,41%). Outros produtos típicos da ceia de Natal também tiveram alta acima da inflação, como os pães de outros tipos e panetone (15,31%), o azeite (13,67%), o frango (10,28%), o lombo suíno (10,07%) e a azeitona em conserva (9,50%).

Na outra ponta, alguns produtos importantes da cesta natalina registraram redução de preços ou aumentos abaixo da inflação média, entre eles a cebola (-29,42%), o óleo de soja (-19,39%), o bacalhau (-9,69%), o arroz (-5,13%), o pernil suíno (3,44%) e vinho (3,87%).

Apesar de mais alta que no ano passado, a média dos preços dos presentes entre janeiro e dezembro de 2013 ficou abaixo da inflação medida pelo IPC-10, no mesmo período de 2012, passando de 5,48% para 3,78%. Um dos destaques foi o segmento de eletrodomésticos e eletrônicos, que teve inflação de apenas 0,59% no período. Registraram deflação de 2012 para 2013 aparelho de DVD e blu-ray (-5,36%), aparelho de TV (-4,50%), artigos esportivos (-5,03%) e aparelho telefônico celular (-2,42%).

Por outro lado, em uma lista de 22 produtos, aqueles que estão pesando mais no bolso do consumidor são bijuterias (14,25%), bicicleta (9,44%), cintos e bolsas (7,14%) e computador (5,41%).

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?