Publicidade

04 de Dezembro de 2013 - 16:37

Por Vítor Marques - Agencia Estado

Compartilhar
 

Representantes da Fifa e do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2014 estiveram presentes nesta quarta-feira no Itaquerão, onde vistoriam o estádio com o objetivo de elaborar um relatório com informações a respeito das obras no local. Os trabalhos foram retomados na última segunda no palco do jogo de abertura do próximo Mundial, depois da paralisação ocorrida na semana passada por causa do grave acidente que provocou a morte de dois operários após a queda de um guindaste que caiu sobre parte das estruturas do estádio.

Charles Botta, consultador de estádio da Fifa, Carlos Della Corte, consultor de estádio contratado pelo COL, e Antônio Gavioli, engenheiro da Odebrecht, vistoriaram o local por cerca de quatro horas, sendo que colheram informações também sobre outras partes do estádio que não foram afetadas pelo acidente.

Depois da vistoria, os representantes não concederam entrevista aos jornalistas presentes no local, obedecendo ordem da Fifa, que havia prometido só se manifestar publicamente sobre o resultado da vistoria apenas na sexta-feira, mesmo dia em que ocorrerá o sorteio dos grupos da Copa, na Costa do Sauipe (BA).

Botta e Della Corte deixaram o Itaquerão pouco antes das 16 horas desta quarta. Eles seguirão para Costa do Sauipe para se encontrar com a cúpula da Fifa e entregar o relatório sobre o que foi visto. No local, os técnicos da Defesa Civil de São Paulo também marcaram presença nesta quarta para se certificarem de que a área interditada do estádio (30% do prédio leste) não está sofrendo com possíveis mudanças não permitidas.

A Fifa já adiantou que o Itaquerão não corre o risco de perder o jogo de abertura da Copa de 2014, assim como outros jogos da competição, mas ainda não tem a real dimensão de quanto o acidente da semana passada afetou o andamento das obras do estádio.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?