Publicidade

21 de Dezembro de 2013 - 14:11

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

A agência estatal de notícias da Turquia, Anadolu, divulgou neste sábado que as autoridades prenderam formalmente os filhos de dois ministros, em meio às investigações sobre um escândalo de corrupção que ameaça o governo do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan.

Além dos filhos dos dois ministros, foram presos também neste sábado o executivo-chefe do banco estatal Halk Bank, Suleyman Aslan, um importante empresário e 14 outras pessoas. Com isso, subiu para 24 o número de indiciados que vão aguardar o julgamento na cadeia. O filho de um terceiro ministro e um empresário do setor de construção foram libertados e vão aguardar o julgamento em liberdade.

Segundo fontes da polícia informaram à Associated Press, estão envolvidos no escândalo os filhos dos ministros da Economia, Zafer Caglayan; do Interior, Muammer Guler; e do Meio Ambiente e Planejamento Urbano, Erdogan Bayraktar. De acordo com relatos na imprensa local, a investigação é parte de um cabo de guerra entre o premiê Erdogan e o influente clérigo islâmico Fetullah Gulen.

O escândalo eclodiu esta semana, quando a polícia encontrou US$ 4,5 milhões escondidos em caixas de sapato na casa de Aslan. Segundo a agência de notícias Dogan, os filhos dos ministros e outros indiciados são suspeitos de aceitarem ou facilitarem propinas.

Erdogan tem dito que a investigação é uma "operação suja" que visa desestabilizar seu governo e prometeu punir as autoridades envolvidas no inquérito. Diversos graduados oficiais de polícia foram removidos de suas funções, incluindo comissários encarregados de combater o crime organizado, contrabando e atividades financeiras criminosas. O chefe de polícia de Istambul, Huseyin Capkin, também foi afastado. Fonte: Associated Press.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?