Publicidade

08 de Janeiro de 2014 - 17:26

Por Carla Araújo - Agencia Estado

Compartilhar
 

Cerca de 150 funcionários da linha de montagem do Classic do complexo industrial da General Motors (GM) de São José dos Campos (SP) realizaram uma assembleia na manhã desta quarta-feira, 08, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, para discutir estratégias que evitem demissões na fábrica da montadora. Após a assembleia, o grupo de trabalhadores seguiu em passeata até a prefeitura e, logo depois, uma comissão de representantes do sindicato e dos trabalhadores se reuniu com o vice-prefeito de São José, Itamar Coppio (PMDB).

De acordo com a assessoria do sindicato, o objetivo da reunião é pedir que a prefeitura interceda nas negociação com a GM e pressione a empresa para suspender as demissões anunciadas em dezembro pela montadora. Segundo o sindicato, além da suspensão das demissões, os trabalhadores continuarão mobilizados para garantir a estabilidade no emprego e para cobrar a promessa de investimentos da GM. Está prevista para a próxima sexta-feira uma reunião entre a montadora e o sindicato.

Na semana passada, ao deixar a reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o diretor de assuntos institucionais da GM, Luiz Moan, disse que a empresa desligou 1.053 trabalhadores da área de montagem e de manuseio da sua unidade fabril de São José dos Campos (SP). Ele afirmou ainda ter informado o ministro do Trabalho, Manoel Dias, de que não há "a menor possibilidade de reversão" das demissões.

O processo de demissão na fábrica de São José dos Campos, relacionada com o fim da produção do veículo Classic, constava em acordo assinado com o sindicato em janeiro de 2013, lembrou o executivo. Procurada, a assessoria da montadora afirmou que não fará novos comentários a respeito dos questionamentos dos trabalhadores.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Governo federal deve refinanciar as dívidas dos clubes de futebol?