Publicidade

18 de Dezembro de 2013 - 09:43

Por Ciro Campos - Agencia Estado

Compartilhar
 

A transferência de Leandro Damião do Inter para o Santos por cerca de R$ 41 milhões é a mais cara da história entre clubes brasileiros, mas o dinheiro que bancou a negociação veio de fora do País. O investidor foi o misterioso fundo inglês Doyen Sports, sediado em Malta, paraíso fiscal no Mar Mediterrâneo.

A empresa já havia participado da venda do meia Felipe Anderson do Santos para a Lazio, da Itália, e se apresenta como um fundo privado para financiamento de clubes. Entre outras atividades, também participa do gerenciamento de imagem de astros do futebol como Neymar e Xavi, ambos do Barcelona.

No mesmo escritório em que o fundo está sediado funcionam empresas que atuam no mercado de apostas online em partidas de futebol. Nesta terça-feira, a reportagem procurou a Doyen para tentar obter mais informações sobre a negociação de Leandro Damião, mas na sede só se encontrava uma recepcionista (que trabalha também para as duas outras empresas sediadas no local). Ela informou que os representantes da Doyen estão sempre em viagem e raramente ficam por lá.

A transferência do atacante foi intermediada pelo representante da Doyen no Brasil, Renato Duprat. O empresário foi patrocinador do Santos na década de 90 e terminou a parceria acusado pela CPI do Futebol de ter deixado dívida de R$ 1,2 milhão. Ele foi também mediador do polêmico acordo entre o Corinthians e a MSI.

INCERTEZA - Conselheiros do Santos temem que a contratação de Leandro Damião faça o clube ser usado como uma espécie de "barriga de aluguel" para expor o jogador, já que os direitos econômicos dele pertencem à Doyen. Entretanto, o empresário do atacante, Vinícius Prates, minimizou o papel do fundo na negociação.

"A Doyen foi uma espécie de fiadora, que deu a garantia para a transferência dar certo, mas toda a negociação foi feita com o Santos", explicou o empresário de Leandro Damião, que fechou um contrato de cinco anos com o clube.

A diretoria santista, por sua vez, afirmou que não teme a proximidade entre a Doyen Sports e empresas de apostas e ressaltou que a parceria foi vantajosa, pois evitou que o clube gastasse para contratar o jogador.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?