Publicidade

04 de Dezembro de 2013 - 14:19

Por Sanches Filho - Agencia Estado

Compartilhar
 

Depois de ficar encostado e muitas vezes sequer ter sido relacionado para jogos do Santos, Geuvânio conseguiu conquistar a condição de titular na reta final deste Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira, em entrevista coletiva no CT Rei Pelé, o atacante de 21 anos celebrou o fato de que irá fechar a temporada neste domingo, contra o Goiás, no Serra Dourada, em Goiânia, vestindo "a camisa 11 que era de Neymar".

Último dos atacantes da base santista a ser visto como candidato a ocupar com brilho o lugar do brasileiro que hoje defende o Barcelona, Geuvânio admitiu que a temporada do clube da Vila Belmiro não foi boa, mas reconheceu: "Não posso reclamar por mim. Estava treinando para completar grupo. Se faltava alguém na lateral esquerda, chamavam o Caveirinha (apelido do jogador), se faltava atacante, chamavam o Caveirinha. E como atacante estou terminando o ano como titular. Não posso reclamar. E a satisfação é maior por terminar jogando com a camisa 11, a mesma do Neymar. Para 2014, vou continuar fazendo meu trabalho para permanecer titular".

Geuvânio começou a conquistar seu espaço no time titular do Santos depois de ter entrado em campo ao lado de Victor Andrade no decorrer do último confronto diante do Cruzeiro, na Vila Belmiro, onde quase fez um gol em finalização de fora da área na partida que terminou com a equipe mineira vencendo por 1 a 0. Naquela ocasião, o técnico Claudinei Oliveira sacou Willian José e Everton Costa e colocou a dupla de garotos com a justificativa de que o ataque precisava de mais movimentação e ousadia.

Embora o Santos não tenha mais objetivos a buscar nesta rodada final, o atacante destacou nesta quarta que é importante fechar o Brasileirão com uma boa partida para "terminar o ano com dignidade". "O Arouca, o Cícero, todo mundo está frisando isso, de terminarmos o campeonato com três vitórias, ser o melhor dos times paulistas. Vamos entrar em campo com a mesma determinação, sem pensar em ajudar ninguém, time grande tem que ganhar sempre", enfatizou, se referindo ao fato de que a equipe santista precisa esquecer que poderá ajudar ou atrapalhar rivais da equipe goiana na briga por uma vaga na Copa Libertadores.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?