Publicidade

17 de Dezembro de 2013 - 11:58

Por Wladimir DAndrade e Luciana Collet - Agencia Estado

Compartilhar
 

O ministro dos Transportes, César Borges, disse, nesta terça-feira, 17, que o governo ficou satisfeito com o deságio de 52,74% sobre a tarifa teto obtida na disputa do trecho do Mato Grosso do Sul da BR-163. De acordo com ele, pelos descontos verificados nas propostas desse e dos demais leilões de rodovias, o programa de concessões agrada o governo federal, que inclusive analisa novos trechos para serem ofertados em 2014. "O programa de concessões de rodovias está avançando muito bem", disse, durante entrevista coletiva na sede da BM&FBovespa, onde ocorreu o leilão.

Borges disse esperar forte concorrência no último leilão de rodovia do ano, da BR-040 (DF/GO/MG), no próximo dia 27. Afirmou, ainda, que nos trechos que não oferecerem atratividade para o mercado o governo tomará a responsabilidade pela duplicação. Esse é o caso das BRs 101 (BA/MG), 116 (MG) e 262 (MG/ES). Este último trecho chegou a ir a leilão, mas não recebeu propostas. "O governo está buscando com o mercado uma forma de leiloar esses trechos. O que não der, o governo vai fazer como obra pública", disse.

Sobre a BR-163, o ministro afirmou que os estudos mostraram que 60% do tráfego da rodovia é de caminhões. O governo chegou no leilão de hoje com um cálculo do que um caminhão de seis eixos que parte de Sinop (MT) até o Porto de Paranaguá (PR) pagaria com base em um deságio de 50% obtido na disputa e no certame do mês passado, quando a Odebrecht levou o trecho do Mato Grosso com deságio também de 52%. Pelos cálculos, o pedágio total custaria R$ 785, levando em consideração o trecho da BR-163 do Mato Grosso (R$ 146), da BR-163 no Mato Grosso do Sul (R$ 255) e as rodovias paranaenses.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?