Publicidade

17 de Dezembro de 2013 - 17:04

Por Anne Warth - Agencia Estado

Compartilhar
 

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta terça-feira, 17, que o governo insistirá com a China para adiantar a montagem e o lançamento de um segundo satélite ainda em 2014. O prazo original para que isso ocorresse era 2015, mas os planos mudaram depois que a tentativa de pôr o primeiro em órbita fracassou, na semana passada.

"Já temos outro satélite já fabricado e pronto. Isso estava no orçamento do projeto, mas o que se pretendia era montar e lançar em 2015. Agora estamos discutindo a possibilidade de lançar ainda em 2014", afirmou, após participar da cerimônia de posso do novo conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Igor Vilas Boas de Freitas.

De acordo com o ministro, o acordo firmado entre Brasil e China para o projeto já previa a montagem e lançamento de um segundo satélite. "As peças foram feitas todas em duplicidade e foram todas junto com o satélite com a China", afirmou. "A discussão é se vai ser montado aqui ou lá."

O ministro disse que o satélite custou US$ 140 milhões. Como metade dele pertencia ao País e a outra metade à China, o governo perdeu US$ 70 milhões. A discussão sobre qual país vai arcar com os custos do lançamento do novo satélite, no entanto, ainda não foi feita.

De acordo com Bernardo, o satélite caiu devido a uma falha no foguete que faria seu lançamento. Um problema na mistura de combustível e oxidante desligou o terceiro motor do foguete dez segundos antes do tempo necessário. Por essa razão, o satélite não chegou a uma velocidade suficiente para se manter em órbita e caiu.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você tem percebido impacto positivo das operações policiais nas ruas da cidade?