Publicidade

17 de Dezembro de 2013 - 11:27

Por Rafael Moraes Moura e Tânia Monteiro - Agencia Estado

Compartilhar
 

A ministra da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República (SRI-PR), Ideli Salvatti, avaliou nesta terça-feira, 17, que o ano de 2013 marcou uma "mudança significativa" na relação entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional. Para a ministra, a turbulência na relação entre os dois poderes é "normal" e o governo federal teve "grande sucesso" ao não ver derrubado vetos presidenciais.

"Do meu ponto de vista, a questão política mais importante (

A presidente Dilma Rousseff passou a fazer com frequência reuniões com líderes da base aliada após as manifestações de junho derrubarem a aprovação à sua gestão. A articulação política do Planalto é frequentemente alvo de críticas por parte de integrantes do próprio governo.

"A decisão de separar e fazer reuniões periódicas trouxe resultados extremamente positivos para o andamento das matérias no Congresso Nacional. Foram dessas reuniões que superamos diversos impasses", prosseguiu Ideli.

O governo federal, comentou Ideli, teve "grande sucesso" no sentido de "não ter tido nenhum veto da presidente derrubado". "Foi um resultado positivo e esse resultado só foi possível por conta dessas reuniões, dessas negociações que as mesas separadas encontraram alternativas extremamente criativas e adequadas", disse.

Para Ideli, a turbulência na relação entre Executivo e Legislativo é o "normal". "O que estamos comemorando é que na turbulência normal, que é a questão, digamos, da relação Executivo e Legislativo, tivemos um resultado muito positivo. Considero que, de forma bastante clara, a estratégia de fazer as reuniões separadas e periódicas, lideres da Câmara e do Senado com a presidenta, ajudou e muito, porque foram muito produtivas, e isso aí é uma unanimidade", destacou.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?