Publicidade

11 de Março de 2014 - 05:19

Por Marcel Naves - Agencia Estado

Compartilhar
 

Em meio à multidão de viciados que perambulam pelas ruas da Cracolândia, na Luz, região central de São Paulo, cresce o número de dependentes vindos de fora da capital atraídos pelos benefícios da operação De Braços Abertos, da Prefeitura de São Paulo. São homens, mulheres e crianças até de outros Estados. Eles chegam em busca de emprego e de uma forma de se livrar do vício da droga.

A reportagem da Rádio Estadão constatou que parte dos novos moradores acaba mendigando, enquanto outra parte pede apoio a entidades religiosas. O pernambucano José de Lima, de 48 anos, chegou há três semanas, vindo de Gravatá. Sentado em um banco, aguardando o almoço servido por voluntários da Cristolândia, entidade religiosa que atua na área, ele afirma já ter encontrado apoio. "Tô encontrando ajuda e emprego, eu tô procurando me adaptar, não é muito fácil." Willian, de 30 anos, que veio de Goiás, também procura emprego. Inscrito nas frentes de trabalho do De Braços Abertos, ele ainda espera uma colocação e sobrevive de doações.

Parte dos viciados busca cura da dependência. "Pra me libertar do meu vício de droga, que eu tenho, é só no caminho de Jesus, e aqui eu tô conhecendo Jesus", disse Fernando, de 27 anos, vindo de Carapicuíba, na Grande São Paulo.

Comerciantes e trabalhadores da região disseram que, com o início do projeto De Braços Abertos, há maior circulação de usuários de crack. O período da noite é apontado como o mais crítico, até mesmo com crianças nas ruas. A Prefeitura diz desconhecer a situação.

Não existem números oficiais de migrantes na Cracolândia. A secretária de Assistência Social, Luciana Temer, diz que não se pode afirmar que a ação da Prefeitura atraia viciados à região. "Se você andar por São Paulo inteira, você vai encontrar exatamente esta característica: gente do Maranhão, da Paraíba, do Rio Grande do Sul. E eu, como o prefeito (Fernando Haddad), não acredito que a migração aconteça por causa do programa", afirmou.

Haddad, no entanto, disse que existem indícios da migração. Durante balanço da operação De Braços Abertos, na sexta-feira, ele afirmou estar confiante de que o governo federal possa ajudar outras cidades. "Municípios poderão eventualmente acionar recursos federais para estabelecer programas nesses moldes. Isto, para nós, da Região Metropolitana, é fundamental, porque vai impedir que as pessoas venham para cá, (vai permitir) que as pessoas possam ter programas similares nas suas localidades", disse. As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?