Publicidade

13 de Janeiro de 2014 - 05:48

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

O Irã receberá em 1 de fevereiro a primeira parcela de US$ 550 milhões dos US$ 4,2 bilhões que serão desbloqueados segundo o acordo nuclear assinado em novembro pelo Irã e seis potências mundiais, afirmou uma autoridade dos Estados Unidos neste domingo.

"O calendário de parcelamento começa em 1 de fevereiro e os pagamentos estão uniformemente distribuídos ao longo de 180 dias", afirmou um funcionário da administração dos Estados Unidos. "Os pagamentos parcelados serão feitos a cada 34 dias, com exceção da sexta parcela que será paga 33 dias após a quinta parcela", completou.

No entanto, como 1 de fevereiro será um sábado, a primeira parcela pode não ser paga até 3 de fevereiro.

O acordo nuclear entra em vigor no dia 20 de janeiro, informou neste domingo a agência estatal de notícias IRNA.

Em novembro, o Irã concordou em limitar o enriquecimento de urânio a 5%, um nível normalmente adotado em reatores nucleares. O acordo também prevê que o país encerrará a produção e neutralizará seus estoques de urânio enriquecido a 20%, que tecnicamente poderiam ser convertidos em urânio para armas nucleares.

Em troca, as sanções econômicas contra o Irã seriam suavizadas por um período de seis meses e o país receberia US$ 4,2 bilhões em ativos congelados. Durante esse período, Estados Unidos, Grã-Bretanha, China, França, Alemanha e Rússia continuariam negociando um acordo permanente com o país.

Em 7 de março, será o país receberá a segunda parcela de US$ 550 milhões. A última parcela deve ser liberada em 20 de julho. Um pagamento de US$ 450 milhões está previsto para ser pago caso o Irã dilua seus estoques de urânio enriquecido a 5%. Um segundo pagamento semelhante US$ 450 milhões deve ocorrer em 15 de abril para que o país dilua todos os seus estoques de urânio enriquecido.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?