Publicidade

12 de Dezembro de 2013 - 17:03

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

O governo de Israel suspendeu nesta quinta-feira um plano de reassentamento de comunidades árabes beduínas em áreas determinadas pelas autoridades locais depois de uma série de contestações ter tornado o projeto politicamente insustentável.

Ao anunciar o cancelamento do plano, o ex-ministro israelense Benny Begin, principal defensor da ideia, acusou "direita e esquerda, árabes e judeus", de "buscarem ganhos políticos ao mesmo tempo em que exploram o sofrimento dos beduínos".

Os opositores do plano, no entanto, acusam o governo de tentar confiscar terras beduínas e denunciam que o assentamento dessa tribo nômade afetaria negativamente seu estilo de vida.

Os beduínos habitam principalmente o deserto do Neguev, no sul de Israel. Ao longo dos últimos anos, o exército de Israel tem desmantelado sistematicamente acampamentos beduínos no Neguev.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acatou o cancelamento do plano pouco depois de Begin ter sugerido o arquivamento da proposta.

O governo alega ser necessário fornecer serviços essenciais às comunidades beduínas e afirma que o assentamento seria benéfico para elas e preservaria seus costumes e tradições. Ao mesmo tempo, o governo de Israel possui planos para desenvolver a região do Neguev, uma das poucas áreas abertas neste país densamente povoado. Fonte: Associated Press.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você tem percebido impacto positivo das operações policiais nas ruas da cidade?