Publicidade

07 de Dezembro de 2013 - 10:31

Por Almir Leite e Raphael Ramos - Agencia Estado

Compartilhar
 

Depois de muita conversa, discussões, pressão política, mas sobretudo parecer de seus engenheiros, a Fifa resolveu bancar o Itaquerão como palco da abertura da Copa do Mundo, apesar de ainda não se ter noção exata de quando as obras estarão totalmente concluídas. Mas ao assegurar na quinta-feira que o primeiro evento-teste na arena com a capacidade total de público - ou seja, com as arquibancadas provisórias instaladas - o presidente da Fifa, Joseph Blatter, mais do que dizer que confia na conclusão do estádio, teve a intenção de "esticar o calendário" para evitar novo contratempo.

No entanto, o estádio pode ter sua capacidade reduzida para 60 mil pessoas, informou na sexta-feira o secretário de planejamento de São Paulo, Julio Semeghini - inicialmente, a previsão era de que o estádio tivesse capacidade para 65.807 torcedores, sendo 20 mil assentos provisórios.

"Vamos fazer a arquibancada para completar 60 mil. Foi o combinado com a Fifa", disse. As obras no Itaquerão foram retomadas - menos na área onde ocorreu o acidente em que dois trabalhadores morreram - e a maior parte da programação foi mantida. "Não temos mais folga", afirmou à reportagem a vice-prefeita Nadia Campeão, coordenadora da SPCopa. "Mas muita coisa do que estava programado será feita normalmente."

Ela confirma que a previsão de atraso causada pelo acidente é de 30 a 45 dias. Para que esse prazo não tenha de ser alterado, a Odebrecht colocou canteiros de outras obras que executa de sobreaviso. Eles irão auxiliar nos trabalhos da arena de Itaquera, caso seja necessário.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?