Publicidade

11 de Março de 2014 - 20:19

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

O japonês Kamui Kobayashi criticou severamente a Caterham ao fim da segunda bateria de testes da pré-temporada da Fórmula 1, realizada no Bahrein, na última semana. O piloto está tão desanimado com o desempenho do carro da sua equipe que disse ser mais lento que um de GP2, categoria de acesso à F1.

"Não estamos em condições de corrida, mas se estivéssemos, penso que seria melhor trazer um carro da GP2", disse o japonês, em entrevista publicada pelo site inglês Autosport. Nos quatro dias de testes no Bahrein, ele fez 1m39s855 como melhor tempo, quatro décimos de segundo mais lento que o pole position da etapa do Bahrein da GP2 no ano passado, o suíço Fabio Leimer.

"O tempo da volta continua mais rápido na GP2. Nós precisamos trabalhar, mas, neste momento, se fôssemos correr, penso que não seria Fórmula 1", criticou o japonês. "Quando você olha o tempo, tem que se preocupar. Eu não posso estar feliz, mas eu tenho que pensar no que podemos fazer."

Enquanto as equipes com motor Renault se empenham para melhorar a confiabilidade do carro, Kobayashi busca fazer com que a Caterham seja um pouco mais rápida e disse que não trabalha buscando pontuar. "Procuro dar mais potencial à equipe. Isso é a parte mais importante para eu estar aqui. No momento, estamos um passo atrás comparado com todas as outras equipes em termos de desenvolvimento", lamentou.

A Caterham está na Fórmula 1 desde 2012 e jamais colocou um carro entre os dez primeiros colocados. Kobayashi estreou em 2009 pela Toyota e nas três temporadas seguintes foi piloto titular da BMW e da Sauber. Na ocasião, chegou a surpreender ao terminar em terceiro lugar o GP do Japão de 2012, em Suzuka. Após ficar sem equipe em 2013, o japonês retorna agora em 2014 pela Caterham.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o resultado do PIB nos dois últimos trimestres vai interferir no resultado das eleições?