Publicidade

11 de Março de 2014 - 20:24

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, disse que as maiores economias do mundo estão ganhando momentum e que os formuladores de políticas parecem estar no caminho certo, mas alertou para vulnerabilidades nos mercados emergentes.

"Ironicamente, os mercados emergentes, que mantiveram a economia global em curso durante a crise, estão se enfraquecendo, com seus ciclos econômicos mudando de direção e o crescimento desacelerando", afirmou Lagarde, em texto preparado para discurso na Universidade de Stanford. A diretora-gerente do FMI lembrou que em alguns desses países a "maré alta veio com ondas agitadas". Para ela, o forte crescimento abriu vulnerabilidades que entraram em foco à medida que a economia começou a desacelerar.

Ao mesmo tempo, a melhora na situação econômica dos EUA permitiu que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) iniciasse a retirada gradual dos estímulos bilionários à economia. "Isso criou condições para que algum capital flua para fora de um número variado de mercados emergentes, gerando volatilidade no mercado e variações cambiais", lembrou.

O discurso de Lagarde ocorre após o encontro dos ministros de Finanças e de banqueiros centrais do G-20, durante o fim de semana. A diretora-gerente do FMI disse ter saído do encontro "com um senso de que, apesar dos muito riscos que poderiam frear a recuperação, os formuladores de políticas estão em geral no caminho certo". A estimativa para a economia global é de crescimento de 3,75% neste ano e 4% no próximo, afirmou.

Lagarde também chamou atenção para a necessidade de reduzir a desigualdade ao redor do mundo. "Nos anos à frente, não será suficiente olhar apenas para o crescimento econômico. Nós precisaremos nos perguntar se esse crescimento é inclusivo", disse. Fonte: Dow Jones Newswires.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o resultado do PIB nos dois últimos trimestres vai interferir no resultado das eleições?