Publicidade

03 de Dezembro de 2013 - 16:49

Por Ricardo Brito - Agencia Estado

Compartilhar
 

O líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), afirmou nesta terça-feira, 03, que "muitas dúvidas" ainda permanecem, mesmo após o depoimento do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Cardozo prestou esclarecimento sobre as investigações de denúncias de corrupção contra políticos de partidos da oposição e formação de cartel no transporte de trens de São Paulo e em Brasília.

"As dúvidas permanecem porque esse caso foi excessivamente e indevidamente politizado a partir de divulgação politicamente orientada de documentos que deveriam estar sob sigilo", afirmou o tucano. Para ele, essas informações deveriam estar sob a guarda de órgãos ligados ao Ministério da Justiça, numa referência à Polícia Federal e ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O líder do PSDB disse que não foi esclarecido o episódio envolvendo documentos atribuídos a um ex-diretor da Siemens - revelado pelo jornal "O Estado de S. Paulo" - de que políticos do PSDB e do DEM estariam envolvidos em um esquema de recebimento de propina relativo ao cartel de metrô. "Ainda há muitas dúvidas a serem esclarecidas", afirmou.

O ministro da Justiça elogiou a atuação dos senadores oposicionistas que o questionaram. Na semana passada, integrantes do PSDB chegaram a cobrar a demissão de Cardozo, sob o argumento de que ele não teria agido de forma isenta no episódio.

O ministro disse mais uma vez ter feito o encaminhamento da papelada apócrifa à Polícia Federal nos estritos termos da lei. "Como foi um depoimento em que as pessoas foram técnicas e buscaram saber a verdade, foi possível expor detalhadamente tudo aquilo que aconteceu sem a politização, sem se transformar o depoimento numa cena de disputa partidária, o que seria muito ruim para todos", afirmou.

Cardozo disse que "não precisa xingar alguém", chamá-lo de "bandido" ou "vigarista" para discordar dele. "Eu posso discordar sendo respeitoso. Eu acho que isso é próprio de um parlamento numa sociedade democrática. Contundência, critério, rigor na arguição, mas com respeito", completou.

O ministro disse esperar o "mesmo nível" de tratamento nesta quarta-feira na Comissão de Segurança Pública da Câmara. Citado nos documentos, o secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, deve reassumir o mandato de deputado federal para participar da audiência. "Eu fui deputado muitos anos, confio na Câmara dos Deputados e confio que o clima de respeito que houve no Senado será também colocado na Câmara dos Deputados", disse.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?