Publicidade

02 de Julho de 2014 - 14:11

Vigilância diz que ainda não é possível saber se há unidades em JF; consumidor deve ficar atento

Por Cíntia Charlene

Compartilhar
 

A distribuição, o comércio e o uso do medicamento Dipirona sódica, 500 mg, do lote 13K865, com validade até 11/2015, fabricado pela empresa Prati, Donaduzzi & Cia Ltda, situada na Rua Mitsugoro Tanaka 145, no Centro Industrial Nilton Arruda, em Toledo (PR), estão suspensos. A decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foi publicada no Diário Oficial da União na última terça-feira (1º) e vale para todo o território nacional. A medida se deve ao laudo emitido pelo Instituto Adolfo Lutz, que considerou "o lote insatisfatório no ensaio de aspecto, por ter sido constatada mancha irregular de cor cinza na superfície do comprimido". A resolução que entrou em vigor nesta quarta determina ainda que a empresa responsável pela fabricação promova o recolhimento do estoque existente no mercado referente ao lote descrito. O procedimento será acompanhado pelas vigilâncias sanitárias dos estados e dos municípios.

De acordo com o coordenador regional da Macrorregião Sudeste da Vigilância Sanitária Estadual, Gilson Lopes, a decisão da Anvisa ainda não foi comunicada ao órgão em Juiz de Fora. No momento, segundo ele, não é possível afirmar se existem unidades do medicamento no município e nas cidades vizinhas. Desta forma, é preciso que o consumidor fique atento. "Trata-se de uma ação de rotina. Tão logo sejamos comunicados, vamos replicar as informações para as vigilâncias sanitárias dos municípios, que serão responsáveis por realizar as fiscalizações nas farmácias. O próprio laboratório já entra em contato com as drogarias, que, no caso de possuírem o lote, enviam o mesmo ao centro de distribuição ou ao próprio laboratório."

O Departamento de Vigilância Sanitária do Município informou que estará monitorando as distribuidoras e drogarias para que seja cumprida a suspensão. Os estabelecimentos serão responsáveis por guardar os medicamentos até que a empresa os recolha. O órgão informou ainda que o consumidor que tenha adquirido o produto deste lote não deve consumi-lo, fazendo ainda a denúncia pelo telefone (32) 3690-7472. O produto também não deve ser descartado, mas entregue na farmácia onde foi comprado ou na própria Vigilância.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você aprova o retorno de Dunga para o comando da Seleção Brasileira?