Publicidade

06 de Dezembro de 2013 - 16:10

Por Eduardo Cucolo - Agencia Estado

Compartilhar
 

O lucro dos bancos comerciais brasileiros cresceu 15% no terceiro trimestre de 2013 na comparação com o mesmo período de 2012. A recuperação se deu em um período de aumento nas receitas com empréstimos, prestação de serviços e tarifas. Ao mesmo tempo, as despesas com provisão para inadimplência recuaram.

Segundo dados do Banco Central, o lucro dos 97 bancos comerciais somou R$ 13,730 bilhões entre julho e setembro deste ano, ante R$ 11,948 bilhões no mesmo período de 2012. O valor ainda está, no entanto, abaixo dos R$ 17,512 bilhões verificados no terceiro trimestre de 2011.

Considerando sempre a comparação entre terceiros trimestres, as receitas com operações de crédito haviam recuado 5% em 2012 em relação a 2011, com o impacto da política de redução de spreads liderada pelas instituições públicas. Em 2013, essas receitas cresceram 7%, para R$ 86,308 bilhões, ultrapassando novamente o nível de dois anos antes (R$ 84,867 bilhões).

Na mesma comparação, as despesas com provisões passaram de uma alta de 13% entre julho e setembro de 2012, período em que a inadimplência ainda seguia tendência de aumento, para uma queda de 9% no mesmo trimestre de 2013, para R$ 21,689 bilhões. Nesse mesmo trimestre, as receitas com prestação de serviços avançaram 6% de 2011 para 2012 e 12% do ano passado para 2013, totalizando R$ 16,255 bilhões no último período. Já as rendas de tarifas bancárias, que são computadas separadamente pelo BC, mantiveram praticamente o mesmo nível de expansão, pouco acima de 10%, para R$ 7,665 bilhões no trimestre passado.

Os números não consideram os bancos múltiplos sem carteira comercial e bancos de investimento, um total de 34 instituições financeiras. Nesse caso, o lucro recuou 25% na comparação entre o terceiro trimestre deste ano e o mesmo período do ano passado, para R$ 194 milhões.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?