Publicidade

17 de Janeiro de 2014 - 17:11

Por Idiana Tomazelli - Agencia Estado

Compartilhar
 

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua divulgados nesta sexta-feira, 17, não alteram a avaliação sobre a situação do mercado de trabalho, afirmou o economista-sênior do Besi Brasil, Flávio Serrano. Para ele, faz sentido que a taxa de desocupação apontada pela nova pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) se eleve, devido a mudanças metodológicas importantes.

A Pnad Contínua, divulgada trimestralmente, captura dados de mais de 211 mil domicílios em 3,5 mil municípios de áreas urbanas e rural. Além disso, a ocupação é medida para pessoas a partir de 14 anos. Na Pesquisa Mensal de Emprego (PME), informada mensalmente, estima-se que a pesquisa chega a 45 mil domicílios e mede o desemprego entre pessoas de dez anos ou mais.

"A avaliação é exatamente a mesma, e o movimento da taxa é muito parecido", disse Serrano. "O mercado de trabalho segue apertado." Apesar de a Pnad Contínua ainda não divulgar dados sobre rendimento, ele acrescentou que o crescimento do consumo nos últimos anos corrobora essa análise.

O economista-sênior do Besi Brasil ainda destaca que o alongamento da série e a abertura de dados mais detalhados (o IBGE vai divulgar no fim do ano indicadores por Estados e regiões metropolitanas que incluem município da capital) permitirá uma avaliação melhor dos dados. Por enquanto, segundo ele, a pesquisa mostra que o desemprego encontrou um patamar estável entre 2012 e 2013.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?