Publicidade

20 de Dezembro de 2013 - 18:37

Por Roberta Pennafort - Agencia Estado

Compartilhar
 

A mortalidade infantil cai no Brasil, mas ainda preocupa a taxa dos chamados óbitos pós-neonatais, de bebês de 28 a 364 dias de vida. Está em 31,9% do total de mortes infantis, de acordo com a pesquisa Estatísticas do Registro Civil, divulgada nesta sexta-feira, 20, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Quanto melhor é o acesso da população à saúde, menor é essa incidência - caso dos Estados Unidos e de Cuba.

Nesses países, as mortes de bebês concentram-se nos primeiros seis dias de vida, e estão relacionadas a dificuldades de má-formação fetal, que não podem ser evitadas, e não ao ambiente. A proporção de óbitos neonatais precoces (do nascimento aos seis dias de vida) no Brasil é de 50,8%, quando em países com bom sistema de saúde fica em torno de 90%. O de neonatal tardia (de sete a 27 dias) foi verificada em 17,3%.

A situação melhorou muito nas últimas décadas - até o fim dos anos 80, prevaleciam as mortes de bebês maiores. Entretanto, mesmo nos Estados mais ricos os óbitos pós-neonatais ainda se mantêm significativos, segundo o IBGE. Num ranking recente divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil ocupa o 120º lugar entre 190 países em termos de mortalidade infantil.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a multa para o consumidor que desperdiçar água, conforme anunciou o Governo de São Paulo?