Publicidade

08 de Dezembro de 2013 - 21:48

Por Marcio Dolzan - Agencia Estado

Compartilhar
 

Tão logo as cenas de selvageria na Arena Joinville ganharam o noticiário mundial, com a briga deste domingo entre torcedores de Atlético-PR e Vasco pela última rodada do Brasileirão, começou o jogo de empurra sobre a responsabilidade pela segurança no estádio.

Comandante do 8º Batalhão da Polícia Militar de Joinville, o tenente-coronel Adilson Moreira afirmou que a falta de policiamento no interior do estádio foi motivada por um "entendimento" entre as instituições de segurança do Estado. Na hora da briga, apenas seguranças particulares estavam dentro da arena, enquanto a PM atuava do lado de fora.

"É uma questão de entendimento tanto do Ministério Público de Santa Catarina quanto da Polícia Militar de Joinville. É um evento privado, e a Polícia Militar tem que fazer seu policiamento na área externa", afirmou o tenente-coronel, que, depois da briga, mobilizou a polícia e reforçou o efetivo dentro do estádio para permitir a continuação do jogo.

Por meio de nota, o Ministério Público refutou a declaração do tenente-coronel Adilson Moreira, afirmando "que não fez nenhuma recomendação ou ação que impeça a Polícia Militar de atuar no interior do estádio Arena".

Segundo o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o Atlético-PR deve ser punido pela confusão. "A responsabilidade objetiva é do clube e de seus dirigentes, para elaborar junto com o Poder Público um plano de segurança para as partidas de futebol", explicou o presidente do órgão, Flávio Zveiter, em entrevista ao SporTV. O Atlético-PR contratou 100 seguranças de uma empresa privada para atuar no interior da Arena Joinville durante a partida. Mesmo sendo o visitante, o Vasco também deverá ser punido em função da participação de seus torcedores na confusão.

Em entrevista por telefone, o procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt, afirmou que estava acompanhando as imagens da briga pela tevê e chegou a perder a voz ao comentar o episódio. Depois, balbuciou à reportagem: "Essa punição, perda de mando de campo, tem que ser com portões fechados, sempre defendi isso". Em seguida, ele se desculpou e disse que não tinha condições de se pronunciar.

Paulo Schmitt deve oferecer denúncia contra Atlético-PR e Vasco até quarta-feira. O julgamento do caso deve ocorrer em primeira instância na semana que vem.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a multa para o consumidor que desperdiçar água, conforme anunciou o Governo de São Paulo?