Publicidade

11 de Março de 2014 - 23:23

Por Paulo Favero - Agencia Estado

Compartilhar
 

O recado no São Paulo foi bem claro: é para os jogadores esquecerem que domingo tem clássico contra o Corinthians e só pensarem na partida desta quarta-feira contra o Audax, em casa, pela 12ª rodada do Campeonato Paulista. O time do Morumbi não vence um clássico há 12 partidas e tem o rival engasgado, mas os atletas já entenderam o objetivo do comandante. "Agora temos de pensar apenas no Audax, já que será um jogo complicado, diante de um adversário que já mostrou qualidade. Vamos atuar forte e só depois vamos pensar no Corinthians", explicou Rodrigo Caio.

Coincidentemente, o São Paulo vai enfrentar na reta final da primeira fase todos os adversários que estão no grupo do Corinthians, pela ordem: Audax, Corinthians, Ituano e Botafogo, sendo que os dois últimos estão na frente do Corinthians e podem deixar um grande time fora da fase final do Paulistão caso confirmem suas posições. Assim, o São Paulo pode até ser o fiel da balança no grupo.

Só que Rodrigo Caio não quer nem ouvir falar em facilitar a vida dos adversários do Corinthians. "A nossa prioridade é ficar na liderança do grupo e para isso precisamos vencer nossos quatro jogos que faltam. Acredito que temos todas as condições para conseguir a classificação em primeiro lugar. Ter a vantagem de jogar no Morumbi na próxima fase é algo muito importante e o Muricy está cobrando muito o grupo nesse sentido", afirmou.

Com 18 pontos, o São Paulo está empatado com a Penapolense na ponta do Grupo A, mas perde nos critérios de desempate. Mas o time do Morumbi vem de uma sequência de quatro partidas sem derrota e o ambiente no clube é bom. "Ninguém aqui está ficando de biquinho e acho que estamos formando um grupo forte. Dependemos apenas da gente para vencer os quatro jogos que faltam", concluiu Rodrigo Caio.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o resultado do PIB nos dois últimos trimestres vai interferir no resultado das eleições?