Publicidade

04 de Dezembro de 2013 - 08:34

Por Bárbara Ferreira Santos, Paulo Saldaña, Victor Vieira e Guilherme Soares Dias, especial para a AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

São Paulo, o Estado mais rico do País, conseguiu um avanço apenas tímido na avaliação do Pisa de 2012 e se manteve na mesma posição de 2009. Na média geral, o Estado passou de 408 para 414 pontos, permanecendo em 7.º. Os dados da avaliação internacional reforçam as disparidades regionais, com o Centro-Sul na liderança e Norte e Nordeste embaixo.

Em São Paulo, o maior crescimento foi em Matemática, que passou de 390 para 404 pontos. Em Ciências, a nota saiu de 411 para 417. Em Leitura, houve piora e a média caiu de 424, em 2009, para 422 em 2012.

Para o coordenador do Centro de Microeconomia Aplicada da FGV, André Portela, o tamanho da rede dificulta os avanços de São Paulo. "É mais difícil ter avanços significativos por ser uma rede madura e consolidada. Isso a torna complexa, não pelo tamanho, mas pela rigidez do sistema, leis e interesses envolvidos", diz ele, ressaltando que o Estado é um dos que mais diminuíram o índice de alunos atrasados (distorção idade/série).

A Secretaria de Educação de São Paulo ressaltou, em nota, a permanência do Estado acima da média brasileira. "As ações são permanentemente aprimoradas e objetivam fazer com que a rede, formada por mais de 4,3 milhões de alunos, continue cumprindo e superando metas, entre elas a de posicionar São Paulo nos próximos 20 anos entre os 25 melhores sistemas educacionais do mundo."

Entre as Unidades da Federação, a maior pontuação geral foi do Espírito Santo (422), seguido do Distrito Federal (422,1). No Centro-Oeste, o destaque é Mato Grosso do Sul, que obteve 416,9 pontos, na quinta posição.

Para Portela, a diferença entre os Estados se deve também às disparidades socioeconômicas. "O desempenho dos alunos está ligado à condição em que eles estão inseridos", diz.

A educadora Suely Corradini, que tem doutorado pela UFSCar sobre indicadores a partir do Pisa, diz que a grande preocupação é o acúmulo de defasagens. "Embora tenha melhorado, a gente não está conseguindo sair desse nível muito baixo de proficiência", diz ela, que dirige o colégio Vital Brazil, em São Paulo - onde tenta aplicar exemplos que dão certo em escolas de boa avaliação, como fazer com que professores assistam a aulas de colegas.

A estudante Ana Gabriela Graças, de 16 anos, sente esse "acúmulo" citado pela diretora. "Tenho dificuldade em Matemática e meu desempenho é fraco desde a 6.ª série", diz ela, que estuda no Vital. "Atrapalharia se o professor tivesse de voltar tudo, por isso tenho de correr sozinha."

As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?