Publicidade

12 de Dezembro de 2013 - 13:22

Por Clarissa Thomé e Thaise Constancio - Agencia Estado

Compartilhar
 

A Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos divulgou um balanço parcial dos desalojados devido às chuvas que atingiram a Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. Nova Iguaçu é a cidade mais atingida. Trinta e nove bairros foram afetados e 2 mil pessoas estão desalojadas. As famílias foram levadas para seis abrigos.

Em Japeri, 62 pessoas foram abrigadas em uma creche e uma escola. Em Mesquita, 227 famílias foram para casas de parentes e amigos. Outras quatro estão na Escola Municipal Che Guevara, no bairro da Chatuba. Em Queimados, 11 famílias estão desabrigadas.

Moradores do bairro Nossa Senhora da Conceição, no distrito de Austin, em Nova Iguaçu, trabalhavam por conta própria para retirar a lama e o barro que toma conta das ruas. Eles se revezam na direção de uma retroescavadeira que conseguiram emprestada e reclamam que a prefeitura ainda não enviou agentes ao local. A situação se repete em outros bairros do município.

De acordo com os moradores, houve um deslizamento de terra no Morro do Inferninho, onde vivem cerca de 50 famílias, e oito casas desabaram. Na mesma comunidade, duas pessoas foram atingidas por paredes que desabaram. Por volta das 4h desta quinta-feira, Clarinda da Costa foi salva pela filha, Joelma Miriam, de 20 anos, que teve ajuda de vizinhos como Leonel da Costa. O pai de Leonel, Alexandre, de 45 anos, também ficou sob uma parede que caiu em sua casa, foi retirado pelos filhos e levado em uma maca improvisada. Clarinda não teve ferimentos graves. Alexandre caiu em cima de um tijolo, machucou a coluna e foi atendido em um hospital da região. O Corpo de Bombeiros teve dificuldades de chegar ao morro, por causa das ruas alagadas.

Os moradores disseram ainda que agentes da Defesa Civil estiveram no Morro do Inferninho e informaram que todas as casas da comunidade estão condenadas. As famílias que vivem na parte alta deixaram a favela. Já os que vivem no pé do morro ainda estão em suas casas.

Moradores se reuniram em um salão de festas para recolher comida, água, roupa e colchões doados pelos vizinhos. Na paróquia Nossa Senhora da Conceição, funcionários da Secretaria Municipal de Assistência Social de Nova Iguaçu fazem cadastro de moradores para pagamento do aluguel social e distribuem cestas básicas.

Na tarde desta quarta-feira, 11, um prédio de três andares desabou no Morro das Palmeiras, no Complexo do Alemão. As famílias que moravam no local haviam acabado de deixar o edifício e não houve feridos. A queda do prédio abalou as estruturas de uma casa vizinha, que também desabou nesta madrugada. Moradores voltaram ao local para tentar salvar pertences e estão assustados porque o asfalto está cedendo e pode afetar outros imóveis.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?