Publicidade

26 de Dezembro de 2013 - 08:31

Por Vinicius Neder - Agencia Estado

Compartilhar
 

Um dos desafios que a economia brasileira enfrenta hoje para crescer em ritmo elevado é aumentar a produtividade. Pesquisadores do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) traduziram esse desafio em números: somente com uma alta média de 3% ao ano na produtividade do trabalho será possível a economia crescer na casa de 4% ao ano, de 2012 a 2022, segundo estudo de Régis Bonelli e Júlia Fontes, que ilustra o livro Ensaios Ibre de Economia Brasileira.

Qualquer avanço no Produto Interno Bruto (PIB) acima de 1,2% a 1,4% ao ano dependerá dos ganhos de produtividade. "O ganho de importância da produtividade é muito claro. E isso é especialmente grave porque o Brasil não está tendo ganhos elevados de produtividade nos últimos tempos", diz Bonelli.

De acordo com o estudo do Ibre/FGV, boa parte do baixo crescimento da produtividade está relacionada ao peso dos serviços na economia. De 2000 a 2012, a produtividade nos serviços cresceu apenas 0,3% ao ano, abaixo da média da produtividade de todos os setores.

Como os serviços empregam muita mão de obra, é mais difícil esse avanço aumentar a produtividade na economia como um todo. Nesses negócios, produtividade depende mais de mão de obra qualificada e de sistemas de gestão do que de investimentos em maquinário.

Nos restaurantes, o modelo a quilo representa um ganho, lembra Bonelli. Contudo, depois de dar o salto, somente o aprimoramento da gestão permitirá novos avanços. Isso ocorreu nos cinemas multiplex. Neles, ao contrário dos cinemas de rua, a bilheteria informatizada, que atende várias salas num só local, e a projeção digital permitem ter menos empregados.

Segundo o presidente da rede Cinemark, Marcelo Bertini, a produtividade está na digitalização dos projetores e na alocação do número de horas de trabalho por empregado em cada atividade (bilheteria, limpeza, bonbonnière, etc).

A rigidez das leis trabalhistas é o principal entrave. "Nos Estados Unidos, você consegue estabelecer uma grade horária para os colaboradores bastante flexível", compara Bertini. "Aqui, uma vez que um colaborador é contratado para tais dias e horários, não pode mudar", diz.

Para o economista Naércio Menezes Filho, professor do Insper, a baixa produtividade está relacionada também à precariedade na gestão das empresas em geral e ao baixo investimento em inovação. Um estudo publicado em 2010 na revista da Associação Econômica Americana coloca Brasil, Índia e China no fim de um ranking de 17 países em termos de práticas de gestão.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?