Publicidade

19 de Janeiro de 2014 - 17:55

Por Rafael Moraes Moura - Agencia Estado

Compartilhar
 

Após dois dias de silêncio, o Palácio do Planalto se pronunciou oficialmente neste domingo, 19, sobre o discurso do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que anunciou na última sexta-feira, 17, mudanças nos serviços de inteligência americanos, inclusive com a promessa de que não vai mais monitorar comunicações de chefes de Estado e governos aliados. Segundo o porta-voz da Presidência da República, Thomas Traumann, o governo brasileiro analisou "detidamente" o anúncio de Obama sobre mudanças nos serviços de vigilância virtual.

A sinalização da Casa Branca serviu como resposta às revelações do ex-técnico da Agência de Segurança Nacional (NSA) Edward Snowden de que os Estados Unidos monitoraram uma série de dirigentes estrangeiros, entre eles a presidente Dilma Rousseff e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel. A Petrobrás e o Ministério de Minas e Energia também teriam sido dos alvos da espionagem norte-americana.

Ainda de acordo com Thomas Traumann, o discurso de Obama "é um primeiro passo" e o governo brasileiro "irá acompanhar com extrema atenção os desdobramentos práticos do discurso".

As revelações de Snowden fizeram Dilma cancelar a visita de Estado que faria a Washington em outubro. Após o episódio, a presidente acabou escolhendo comprar caças da Suécia, em detrimento da oferta da norte-americana Boeing, considerada uma das favoritas - a francesa Dassault também estava na disputa.

Durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, em setembro, a presidente fez um duro discurso com críticas à espionagem norte-americana, classificando-a como "violação de direitos humanos".

"Jamais pode uma soberania firmar-se em detrimento de outra soberania. Jamais pode o direito à segurança dos cidadãos de um país ser garantido mediante a violação de direitos humanos e civis fundamentais dos cidadãos de outro país", afirmou Dilma, na época.

Obama anunciou na última sexta-feira, 17, mudanças na vigilância virtual, como a determinação de que as agências de espionagem dos EUA deixarão de manter registros de gravações telefônicas dos americanos e a criação de uma defensoria pública para casos determinados. A Casa Branca também quer medidas de proteção de privacidade para estrangeiros, que não deverão ser alvo de vigilância pelos EUA, "salvo de houver motivo de segurança nacional".

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está fazendo pesquisa de preços para controlar o orçamento?