Publicidade

11 de Março de 2014 - 01:13

Por Idiana Tomazelli - Agencia Estado

Compartilhar
 

A geração de postos de trabalho em 2014 deve ser mais fraca do que em 2013, mas sem afetar a taxa de desemprego, avalia o economista Fernando de Holanda Barbosa Filho, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Isso porque a População Economicamente Ativa (PEA), que reúne as pessoas que trabalham e aquelas que estão em busca de emprego, deve continuar desacelerando.

Apesar disso, os indicadores sobre o mercado de trabalho apurados pela FGV em janeiro indicam estabilidade, segundo Barbosa Filho. O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) avançou 0,3% no mês passado, enquanto o Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) recuou 0,9%.

"As condições econômicas são piores do que nos últimos anos, mas a Copa do Mundo de 2014 pode ajudar um pouco. Acima de tudo, os sinais não mostram uma desaceleração mais profunda no mercado de trabalho", disse o economista.

Em relação à desaceleração da PEA, Barbosa Filho afirmou que é difícil saber quando esse efeito vai ter fim. "Se for relacionado com a renda, é capaz de esse efeito se reduzir, porque a renda está crescendo menos e mais gente pode voltar à PEA. Se for estudo, tem de esperar esse ciclo de estudantes acabar", avaliou.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está fazendo pesquisa de preços para controlar o orçamento?