Publicidade

03 de Dezembro de 2013 - 08:58

Por Fernando Gallo - Agencia Estado

Compartilhar
 

Uma parceria entre as autoridades brasileiras e suíças iniciada em 2010 quase acabou abandonada após o Ministério Público Federal atrasar o atendimento a pedido de investigadores do país europeu.

Em 2011, o Ministério Público da Suíça solicitou que procuradores brasileiros interrogassem alguns investigados, como o ex-diretor da CPTM João Roberto Zaniboni e o consultor Arthur Teixeira, apontado como lobista das empresas do cartel. O pedido ficou em uma gaveta, oficialmente por engano, durante dois anos e oito meses, sem ser atendido.

Após a revelação de que as apurações não avançavam no país europeu por falta de colaboração, as autoridades brasileiras tentaram retomar a parceria e passaram a enviar documentos.

Desde então, Zaniboni já foi condenado na Suíça por lavagem de dinheiro. No Brasil, o ex-diretor da CPTM e Teixeira foram indiciados pela Polícia Federal. As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você pretende substituir o ovo de Páscoa por outros produtos em função do preço?