Publicidade

13 de Janeiro de 2014 - 17:34

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Pelé não queria, mas não teve como não se emocionar com a homenagem que a Fifa e a revista francesa France Football fizeram nesta segunda-feira, em Zurique, durante a festa de gala para premiar os melhores de 2013. Pela primeira vez na história, a entidade máxima do futebol resolveu conceder um prêmio de honra e o escolhido foi o Rei do Futebol, que chorou ao receber o troféu que, segundo ele próprio, faltava em sua vasta coleção.

O brasileiro, que jogou apenas por Santos e New York Cosmos (Estados Unidos), nunca foi premiado pela France Football, que escolhia os melhores de cada ano desde a década de 50, porque não atuou na Europa. A Fifa só começou a fazer a sua eleição anual do melhor jogador do mundo em 1991, quando Pelé já tinha parado de jogar há mais de 10 anos.

Por isso, nesta segunda "a falha histórica" foi corrigida. E com direito a muita emoção de Pelé, aplaudido de pé por todos os presentes na festa. "Eu tinha prometido á minha família que não iria chorar, mas sou muito emocional. Primeiro, tenho que agradecer a Deus por ter me dado saúde para jogar por tantos anos", disse o brasileiro.

Pelé não se esqueceu das pessoas que o cercaram na época em que jogava. "Claro que não joguei sozinho. Quando falo sobre meus amigos, as pessoas se lembram dos jogadores com quem atuei junto, mas não posso esquecer da pessoa que limpava minhas chuteiras, o massagista, o fisioterapeuta... Eram muitas pessoas ao meu lado. Tenho que dividir isso com eles".

"Ganhei tantos troféus e prêmios na minha carreira, mas tinha inveja porque todos esses caras (europeus) ganharam o Bola de Ouro, que eu não pude ganhar porque não jogava na Europa. Agora agradeço a Deus por poder completar a minha coleção de troféus em casa", completou Pelé.

Antes de receber o prêmio de honra da Fifa, Pelé participou de uma homenagem da entidade às cinco conquistas mundiais da seleção brasileira por causa do ano da Copa do Mundo em solo nacional. O Rei do Futebol teve a companhia de Cafu, capitão de 2002, e de Amarildo, campeão de 1962, que roubou a cena na hora de falar sobre a conquista do bi no Chile. O ex-atacante se empolgou e falou por mais tempo do que previsto, causando risos de todos.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?