Publicidade

20 de Janeiro de 2014 - 11:26

Por Lailton Costa, especial para AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

A Polícia Federal tenta prender mais quatro envolvidos da fraude de R$ 73 milhões da Caixa Econômica Federal (CEF) e busca identificar os titulares de aproximadamente 200 contas suspeitas de terem movimentado o recurso desviado a partir da agência de Tocantinópolis (TO).

O delegado federal Omar Pepow, responsável pela investigação, afirma que além dos quatro mandados abertos contra suspeitos em Goiás, São Paulo e Maranhão, outros pedidos de prisão devem surgir a partir da identificação dos titulares das contas.

Segundo o delegado, a partir da quebra do sigilo bancário, a CEF já identificou até doze níveis de transações bancárias do recurso. Destas contas, aquelas que receberam valores entre R$ 3,5 milhões e R$ 350 mil serão o alvo da apuração da PF nesta nova fase.

NOMES FALSOS

O delegado também acredita que os advogados dos envolvidos devem tentar a revogação dos mandados de prisão, o que pode atrapalhar novas detenções daqui para frente.

Entre os alvos está um suposto procurador de uma empresa transportadora com endereço em São Luís (MA). Segundo o delegado, em uma conta em nome dessa empresa teriam transitado R$ 42 milhões do dinheiro do golpe. "Sabemos o endereço e o CNPJ da empresa, mas ainda investigamos se esse procurador não é falso, se a empresa realmente existe e se os proprietários estão envolvidos", explica.

Os procurados foram identificados durante a investigação iniciada assim que a CEF detectou a fraude e acionou a corporação. A apuração revelou que estes cinco suspeitos alvos na deflagração da Operação Éskhara tramaram a fraude em encontros em Imperatriz e Estreito, ambas no Maranhão, e participaram da abertura da conta na agência da Caixa em Tocantinópolis. Nessa agência foi depositado o prêmio do falso bilhete da Mega-Sena.

Até a tarde de domingo, 19, estavam presos somente o suplente de deputado federal Ernesto Vieira Carvalho Neto (PMDB-MA) e o gerente-geral da Caixa em Tocantinópolis, Robson Pereira do Nascimento.

O suplente, preso desde sábado, 18, na Casa de Prisão Provisória de Araguaína, a 368 quilômetros de Palmas, não revelou nada em seu depoimento e optou por permanecer calado, segundo o delegado federal. As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?