Publicidade

11 de Dezembro de 2013 - 08:07

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Esta quarta-feira é dia de a Ponte Preta fazer história. Empurrada por 2,5 mil fanáticos na Argentina, a equipe pode obter a sua maior conquista em 113 anos de vida. Uma vitória diante do Lanús, às 21h50 (de Brasília), no estádio La Fortaleza, em Buenos Aires, dará à equipe o título da Copa Sul-Americana. E, de quebra, uma vaga na Copa Libertadores de 2014.

Time mais velho em atividade no País, a Ponte Preta tem apenas títulos de pequeno porte em sua sala de troféus, como uma Série A2 paulista e três troféus do Interior, por exemplo. Pouco para quem tem uma torcida apaixonada, um estádio aconchegante e que já viu desfilar em seus elencos jogadores do quilate de Carlos, Polozzi, Oscar e Dicá.

Com nomes mais discretos, sem nenhum grande craque, mas com um espírito de luta de dar inveja, os campineiros mostram confiança em poder soltar o grito de campeão na Argentina. E para quem desconfia, os números mostram que a confiança tem fundamento. A equipe se destacou jogando fora de casa diante de Criciúma, Deportivo Pasto, Vélez Sarsfield e diante do favorito São Paulo.

Agora, em seu último ato, a aposta é em definir o confronto nos 90 minutos. Caso haja um novo empate - no Pacaembu a partida terminou 1 a 1 - o jogo vai para prorrogação e, por consequência, disputa de pênaltis.

O abatimento da queda no Campeonato Brasileiro já faz parte do passado. "Sinceramente não esperava essa final. A Ponte não tinha muitas pretensões na Copa Sul-Americana, o foco era o Brasileiro, mas as coisas começaram a acontecer. Agora está viva a chance de sermos campeões. Precisamos estar focados para entrar na história da Ponte", endossou o artilheiro Leonardo.

Esperanças de gols do técnico Jorginho, o goleador garante que está motivado para ajudar mais uma vez. "Estou feliz com os gols e espero fazer mais um porque é nossa função de atacante. Mas se a Ponte ganhar o jogo de meio a zero, com gol de qualquer outra pessoa e nós sairmos campeões, eu vou ficar muito mais feliz do que se eu fizer e nós perdermos. O gol fica em segundo plano," disse.

Representante brasileiro, a Ponte Preta terá torcida maciça no País. Apenas o Botafogo, que ficaria com a vaga na Libertadores em caso de título do Lanús, declarou "ser argentino".

O torcedor que não pôde ir à Argentina, poderá ver a final no estádio Moisés Lucarelli e mandar de lá suas energias positivas. A diretoria do clube alugou dois telões que ficarão nas laterais do estádio. Serão disponibilizados banheiros químicos, atendimento médico-hospitalar e reforço policial, além de um grupo musical que fará o "esquenta" da decisão.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?