Publicidade

18 de Dezembro de 2013 - 08:26

Por Débora Bergamasco e Eduardo Kattah - Agencia Estado

Compartilhar
 

Com o fim do contrato do marqueteiro do PSDB, Renato Pereira, que vence no fim do mês e não será renovado, o provável candidato à Presidência pela sigla, senador Aécio Neves (MG), adotará um discurso mais incisivo de oposição ao governo. A mudança já foi notada ontem, ao lançar um roteiro com diretrizes para a campanha de 2014 com um tom mais crítico à presidente Dilma Rousseff e ao PT.

Havia uma diferença primordial na visão de Pereira e de Aécio sobre a construção do "personagem político" do futuro candidato a presidente. Pereira defendia um Aécio que não fosse raivoso, e sim generoso e terno, que se diferenciasse da prática da "velha política" pautada por ataques. O marqueteiro acreditava que o tucano poderia dialogar com os eleitores que foram às ruas em junho e se apresentar como um político mais descolado.

Mas tanto Aécio quanto membros do PSDB apostam que a sigla precisa ter um tom mais crítico, de oposição ferrenha ao governo atual. Acreditam que devem poupar apenas o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e as conquistas sociais do PT.

Além disso, para a cúpula tucana, os programas de rádio e TV feitos por Pereira não surtiram o efeito esperado nas pesquisas de intenção de voto. Embora Aécio tenha estrelado todas as peças veiculadas em cadeia nacional, o senador segue com níveis abaixo do esperado pela sigla - no Ibope, em novembro, ele obteve 14%. Um índice mais alto poderia justificar a renovação do acordo. O partido não pretende designar um novo marqueteiro tão cedo. O publicitário Nizan Guanaes vai ajudar informalmente.

Paulo Vasconcelos, marqueteiro das campanhas de Aécio e do PSDB em Minas, disse ontem que não foi procurado, mas não descartou a possibilidade. "Se eu tenho alguma opinião para dar, não passa de afeto, de amizade, mas não há nenhuma rotina profissional nossa há dois anos."

O rompimento entre Aécio e Pereira foi divulgado ontem pelo jornal Folha de S. Paulo.

Para os tucanos, isso é solução, e não problema. Na campanha passada, o então candidato José Serra era muito afinado com o marqueteiro Luiz Gonzales. Na prática, significava que palpites do partido não eram ouvidos. Aécio, ao dar espaço para colegas de legenda, conseguiu angariar apoio em torno de seu nome.

Vice-presidente do PSDB, o senador Cássio Cunha Lima (PB) se queixou de uma gafe em uma das peças produzidas pela equipe de Pereira. "Parece uma coisa pequena, mas é inadmissível ter passado um erro na propaganda de TV em que a van conduzida por Aécio comete uma infração de trânsito." Na peça, o veículo faz uma ultrapassagem proibida. Outro fator de desgaste foi a ausência de Pereira em evento do PSDB em Poços de Caldas (MG), no mês passado. As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?