Publicidade

11 de Dezembro de 2013 - 19:22

Por Thaise Constancio - Agencia Estado

Compartilhar
 

Por todo o Rio, as ruas estavam alagadas, os pedestres encharcados e os carros tentavam passar os bolsões de água. O cenário, apesar de desolador, é comum para os cariocas. Em diversos bairros da capital fluminense, moradores e lojistas tentavam reparar os estragos causados pela chuva.

No início da manhã, poucos ônibus circulavam na zona norte da capital. O cenário mais devastador foi encontrado no bairro de Higienópolis, na zona norte. O Rio Faria-Timbó transbordou e invadiu as casas. Em algumas residências, a água passou de 2 metros de altura. Uma placa no poste do ponto de ônibus ficou submersa e água conseguiu entrar pelas janelas. Nas Ruas Miguel Burnier e Santa Mariana, que ficam abaixo do nível do Faria-Timbó, os moradores fizeram comportas nos portão e janelas para impedem a passagem da água.

No entanto, dessa vez, nem mesmo essa engenharia conseguiu evitar que a água invadisse as casas. Na Miguel Burnier, o muro de um prédio caiu, mas ninguém ficou ferido. No prédio em frente, era possível ver sacos de lixo que foram levados pela água nas grades do muro. O professor de Educação Física Alexandre Gallo, foi o salvador do bairro e usou bote salva-vidas para resgatar os vizinhos e alguns pertences pessoais. Foram tantos resgates que Gallo não conseguiu contar a quantidade de pessoas que levou no bote, mas lembra que carregou oito geladeiras e amarrou dois carros no poste para que não fossem levados pela correnteza. "Antes da construção da Linha Amarela era muito pior."

Uma equipe e um minitrator da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) trabalhavam no local e tentavam recolher a sujeira e escoar as águas. A comida de um bar na esquina das Ruas Santa Mariana e Aguaraíba, que fica a pelo menos 1,5 metro acima da calçada, foi para o lixo. "Toda vez é a mesma coisa: perdemos tudo, a prefeitura recolhe nossas coisas e, quando podemos, compramos tudo de novo", afirmou a aposentada Antônia Machado, de 68 anos, que mora há 50 anos em Higienópolis.

O rodoviário Hilton Filho, de 37 anos, abriu a casa onde mora com a família para a reportagem. Estava tudo molhado e Hilton Filho só conseguiu salvar algumas poucas roupas e uma televisão. Ele afirmou que a cama do casal boiou. A casa de Hilton Filho é uma das que têm portão e janelas feitos como comportas, mas os itens de contenção não foram suficientes para evitar a força - e o estrago - da chuva desta quarta-feira. O rodoviário acordou às 5h30 para ir para o trabalho e, assim que percebeu que a água invadia sua casa, despertou a mulher, Flávia de Almeida, os dois filhos e o sogro, que conseguiram abrigo na casa de parentes.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?