Publicidade

16 de Janeiro de 2014 - 19:02

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

O Programa Universidade para Todos (ProUni), que dá bolsas em instituições privadas de ensino superior, já tem 1.002.115 cadastrados até 18 horas desta quinta-feira, 16, de acordo com balanço parcial divulgado pelo Ministério da Educação (MEC). O total de inscrições era de 1.912.431, uma vez que cada candidato pode registrar até duas opções de curso.

Os interessados devem fazer a inscrição até às 23h59 desta sexta-feira, 17, na página virtual do programa. O ProUni tem duas chamadas, e o resultado da primeira convocação será divulgado na página na internet na segunda-feira, 20. A segunda lista será liberada no dia 3. Na primeira edição de 2014 do ProUni, são oferecidas 131.636 bolsas integrais e 59.989 parciais em quase 26 mil cursos. Em relação à primeira edição de 2013, o aumento foi de 18% na oferta. Administração foi o curso com a maior quantidade de bolsas ofertadas, com 21.252 cadastros, seguida de pedagogia, com 14.773, e direito, com 13.794. Em 2014, participam 1.116 instituições em 991 cidades - mais da metade está no Estado de São Paulo.

Podem fazer a inscrição os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2013 que tenham obtido pelo menos 450 pontos na média das notas e não tenham zerado a redação. Para fazer o registro, é preciso informar o número de inscrição e a senha usados no Enem, além do Cadastro de Pessoa Física (CPF). Quem tem diploma universitário não pode tentar bolsas pelo programa.

O estudante que quiser concorrer à bolsa integral também precisa comprovar renda familiar por pessoa de até 1,5 salário mínimo. No caso de bolsas parciais, a renda familiar deve ser de, no máximo, três salários mínimos por pessoa. Professores da educação básica pública estão dispensados de comprovar os requisitos de renda e concorrem, exclusivamente, a bolsas para graduações de licenciatura.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está evitando contrair dívidas maiores em função da situação econômica do país?