Publicidade

08 de Janeiro de 2014 - 20:13

Por Vera Rosa e Daiene Cardoso - Agencia Estado

Compartilhar
 

Dirigentes do PT decidiram que não farão pressão sobre o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) para convencê-lo a renunciar ao mandato parlamentar e evitar o desgastante processo de cassação na Câmara dos Deputados após a expedição do mandado de prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF). "Nós entendemos a posição dele. Renunciar ou não é uma decisão dele", disse um cacique petista.

Embora tenham anunciado que respeitarão qualquer posição de Cunha, os petistas não descartam a possibilidade de conversar futuramente com o deputado dependendo do encaminhamento de sua situação na Câmara. "O partido pode aconselhá-lo, mas jamais impor", comentou o líder.

A cúpula do PT tem evitado falar abertamente sobre o caso. "Não vou me pronunciar sobre isso em respeito à dor dele", justificou o líder do PT na Câmara e vice-presidente da sigla, José Guimarães (CE), que é irmão do ex-deputado José Genoino (SP), atualmente em prisão domiciliar.

João Paulo Cunha, condenado no processo do Mensalão, aguarda a expedição do mandado de prisão para iniciar o cumprimento de sua pena de 6 anos e 4 meses por corrupção passiva e peculato. O petista ainda aguarda a análise de um recurso contra a condenação por lavagem de dinheiro, o que elevaria sua pena a um total de 9 anos e 4 meses. Alguns petistas defendem que Cunha deve renunciar ao mandato de deputado federal assim que for preso, o que evitaria o processo de cassação no Parlamento.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?