Publicidade

17 de Dezembro de 2013 - 11:34

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

O advogado que representou o Flamengo no julgamento de segunda-feira no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) afirmou que o clube carioca, assim como fará a Portuguesa, vai recorrer ao Pleno do Tribunal. A expectativa é de tentar reverter a perda de quatro pontos no Campeonato Brasileiro pela escalação de André Santos na última rodada.

Michel Asseff Filho, porém, prefere ainda não falar sobre a possibilidade de levar o caso à Fifa. "Não posso adiantar isso agora. O Flamengo vai estudar de acordo com o que pode ser a decisão do Pleno. Aí o Flamengo pode estudar de se vai questionar na Fifa. Vamos ao Pleno, temos que recorrer, ainda mais com essa confusão de normas", apontou o advogado.

Ele defende que o Flamengo deveria ter sido julgado com base nas normas internacionais. Mas o entendimento do SJTD, baseado na legislação brasileira, era de que André Santos, expulso na final da Copa do Brasil, deveria cumprir suspensão no Brasileiro.

"O que há aqui é uma grande confusão de normas. Não se pode dizer que o Flamengo infringiu as regras e que, com isso, deve perder quatro pontos no campeonato. A regra tem que ser muito objetiva para fazer com que um clube perca quatro pontos em uma competição", lamentou ele.

O Flamengo escalou André Santos de forma irregular contra o Cruzeiro, no dia 8 de dezembro. O jogador foi expulso contra o Atlético-PR na segunda partida da final da Copa do Brasil e pegou um jogo de gancho. O atleta chegou a ficar fora do duelo contra o Vitória, o primeiro depois da decisão da Copa do Brasil, mas a ausência naquela partida não conta como suspensão. Por se tratar de uma competição diferente, é preciso esperar o caso ir a julgamento para ter validade. Assim, ele não poderia ter enfrentado o time mineiro.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a multa para o consumidor que desperdiçar água, conforme anunciou o Governo de São Paulo?