Publicidade

20 de Dezembro de 2013 - 09:19

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

O presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda, disse que a economia do país está se beneficiando do iene mais fraco, mas repetiu que o BoJ tem como objetivo tirar o Japão da deflação, e não alcançar uma meta específica na taxa de câmbio.

Em coletiva de imprensa após a autoridade monetária manter as taxas de juros, Kuroda disse que a "correção" da alta do iene para níveis recordes "tem um bom impacto" na economia japonesa.

Ao ser questionado sobre o agressivo programa de compra de ativos lançado em abril, o presidente do banco central disse que a autoridade monetária dificilmente irá alterar o ritmo de compras mensais de bônus do governo. Atualmente, o BoJ adquire 7 trilhões de ienes por mês em bônus do governo.

Há rumores nos mercados de bônus de que o BoJ poderá reduzir o ritmo das compras mensais, em linha com a meta de aumentar o portfólio de bônus soberanos a um ritmo anual de cerca de 50 trilhões de ienes.

Do mesmo modo, a meta de inflação de 2% está mantida. Kuroda disse que o crescimento do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) deve alcançar 1% durante o ano fiscal que se encerra no fim de março.

Para o próximo ano fiscal, o presidente do BoJ afirmou que os investimentos das empresas e as exportações são fatores importantes para a recuperação econômica, mas alertou que a autoridade monetária deve se manter atenta para os gastos dos consumidores após o imposto sobre as vendas subir para 8% em abril, de 5%. Por causa dessa carga tributária maior, o ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) pode cair "consideravelmente" na base trimestral, acrescentou.

Ao comentar sobre a decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) de começar a reduzir os estímulos à economia em janeiro, Kuroda afirmou que os EUA agiram "apropriadamente" e que a recuperação econômica agora tem potencial para se acelerar fortemente, dado que as preocupações orçamentárias "caíram significativamente". Fonte: Dow Jones Newswires e Market News International.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?