Publicidade

19 de Dezembro de 2013 - 21:19

Por Marina Azaredo e Bárbara Ferreira Santos - Agencia Estado

Compartilhar
 

O reitor da Universidade de São Paulo (USP), João Grandino Rodas, afirmou nesta quinta-feira, 19, durante as eleições para a lista tríplice de candidatos a reitor e vice da instituição - que depois será encaminhada ao governador Geraldo Alckmin - que a campanha eleitoral para os cargos neste ano foi "rasteira".

"Eu vou falar com sinceridade. Todos os que se candidataram são ligados à administração, mas parte deles nunca fez qualquer observação antes. E agora fizeram colocações até pessoais de forma absolutamente eleitoreira. Foi a primeira vez que isso aconteceu em uma eleição na USP. Desta vez resolveram trazer aquilo que de mais condenável a gente vê em eleições fora".

Ele falou após sair da sala de votação, no prédio da Administração Central, na Cidade Universitária, na zona oeste de São Paulo. Na segunda-feira, 16, em carta aberta à comunidade acadêmica, Rodas declarou apoio ao candidato Wanderley Messias da Costa, que foi superintendente de Relações Institucionais na atual gestão, o que gerou críticas dos candidatos adversários. Embora tenha evitado abrir seu apoio no início da campanha eleitoral, Rodas passou a manifestar suas preferências nas últimas semanas.

O reitor criticou ainda a baixa participação dos alunos na consulta, que ocorreu no dia 10. "Alunos tanto falam em participação e na consulta tiveram participação de só 3%". Pouco depois de votar, ele ainda defendeu a votação direta para reitor, com participação de 70% de professores, 15% de alunos e 15% de funcionários. "Melhor que ter uma consulta seria a possibilidade de todos poderem votar." Rodas deixa o cargo no dia 25 de janeiro. Sobre seu futuro, ele disse que deve voltar a dar aulas na instituição. "Não estou aposentado e ainda sou professor da USP."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?